Caso José Sócrates

José Sócrates: Operação Marquês feita para “condicionar as próximas eleições e impedir a vitória do PS”

1.028

Numa carta enviada ao JN e à SIC, o ex-primeiro-ministro lança críticas ao Ministério Público. Diz que a investigação revela "um enorme desnorte" e que o processo serve para "condicionar" as eleições.

José Sócrates está em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora desde 25 de novembro de 2014

JOHN THYS/AFP/Getty Images

Numa carta enviada ao Jornal de Notícias e à SIC, o ex-primeiro-ministro José Sócrates escreveu que foi preso “sem que existissem quaisquer provas” e que a sua prisão é feita por motivos políticos e não judiciais.

À medida que o tempo passa cresce a legítima suspeita de que este processo tem como verdadeira motivação condicionar as próximas eleições e impedir a vitória do PS. Acontece que isso não compete à justiça, mas à política”

José Sócrates, suspeito de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, referiu ainda que “a Justiça cometeu mesmo neste caso um erro monstruoso” e diz que o processo tem sido “saltitão”, passando “de uma teoria para a outra cada vez que anterior esbarra contra a verdade”.

O ‘agente corruptor’ começou por ser o conjunto das empresas do Engº Carlos Santos Silva, a seguir foi o Grupo Lena, mas evoluiu depois, sem pestanejar, para promotores turísticos e imobiliários com interesses no Algarve, explorando agora novas oportunidades no filão do mercado brasileiro”

Segundo o antigo líder do Partido Socialista, a investigação revela um “enorme desnorte” e “uma enorme precipitação e uma incrível leviandade”.

No final da carta de cinco páginas, José Sócrates deixou ainda uma nota referente à investigação por branqueamentos de capitais de Makhdoom Ali Khan, o antigo procurador geral e milionário paquistanês que, ao abrigo do programa dos vistos Gold, comprou ao antigo primeiro-ministro a casa que este tinha em seu nome na Rua Brancaamp, em Lisboa:

A única razão parece residir no facto desse apartamento ter sido meu. Já não se trata, apenas, do respeito que deve às pessoas e aos seus direitos, mas de perder o respeito que o Ministério deve a si próprio.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site