Logo Observador
Orçamento 2016

Aprovadas ajudas à Grécia e Turquia com abstenção do PSD

356

PS alterou a formulação da frase para que a medida pudesse ser aprovada e o truque resultou: com a abstenção garantida do PSD, ajudas à Grécia e Turquia foram aprovadas. PCP e BE mantiveram-se contra.

PSD tem uma regra: vota contra todas as normas do orçamento e abstém-se de todas as propostas de alteração

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

(Artigo atualizado às 15h40 com a votação oficializada em plenário)

A “habilidade política” do PS era clara: apresentar uma proposta de alteração cirúrgica às normas do Orçamento do Estado relativas aos compromissos internacionais de transferência de verbas para a Grécia e para a Turquia para que o PSD fosse obrigado a viabilizar. E resultou. Normas do Orçamento sobre as ajudas do Estado à Grécia, no contexto do programa de ajuda externa, e à Turquia, no contexto da crise dos refugiados, foram aprovadas esta segunda-feira com os votos a favor do PS e a abstenção do PSD. PCP, BE e PEV votaram contra, CDS votou a favor das verbas para a Turquia e absteve-se nas ajudas a Atenas.

Mas a aprovação esteve por um fio. Não contanto com os votos do PCP e do Bloco de Esquerda, que se manifestaram contra desde o primeiro minuto, os socialistas tiveram de se virar para a direita para fazer aprovar aqueles dois artigos. É que os sociais-democratas têm uma regra de ouro em toda a discussão do Orçamento: votar contra todas as normas originais do Orçamento e abster-se em todas as propostas de alteração, pelo que se preparavam para chumbar estas normas sobre compromissos internacionais assinados no âmbito do anterior Governo.

“O PSD vai manter a clareza política da posição que sempre teve”, tinha antecipado esta segunda-feira de manhã o deputado social-democrata António Leitão Amara, dando a entender, depois de muita insistência dos jornalistas, que o PSD iria manter a máxima de se abster em todas as propostas de alteração, deixando dessa forma passar os artigos. “Temos a mesma posição global em toda a discussão do Orçamento: rejeição total de todas as normas, porque a aprovação do orçamento é da inteira responsabilidade deste Governo e dos seus parceiros”, acrescentava Leitão Amaro.

Em causa estão duas normas do Orçamento do Estado para 2016 relativas ao contributo português para a ajuda financeira à Grécia e à Turquia. A primeira realiza-se no quadro do programa de ajuda financeira a Atenas, prevendo a transferência de até 106,9 milhões de euros relativo aos lucros do Banco Central Europeu com a compra de dívida grega (tanto em juros, como em capital), e a segunda diz respeito ao apoio a Ancara para lidar com a crise de refugiados, estando em causa cerca de 24,4 milhões de euros da parte portuguesa no financiamento ao mecanismo de apoio a refugiados.

As duas normas, cuja votação devia ter decorrido na quinta-feira mas foi adiada para esta segunda, estavam em vias de ser chumbadas no Parlamento porque tanto PCP como Bloco de Esquerda se mostraram contra, e porque o PSD rege-se pela regra de votar contra todas as normas iniciais do documento, abstendo-se de todas as propostas de alteração.

Esta abstenção prometida do PSD foi então vista como uma janela de oportunidade, levando o PS a entregar, esta segunda-feira, uma proposta de alteração aos dois artigos, onde eliminava a referência expressa aos nomes dos países, tornando a formulação mais genérica. Naquilo que foi visto por Luís Marques Mendes como “uma habilidade política e jurídica”, o Governo redigiu as normas de forma mais genérica e acrescentou a ideia de que as transferências de verbas terão de ser sujeitas a uma audição prévia dos ministros das Finanças e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento. O objetivo era ir ao encontro da abstenção do PSD, e conseguiu.

PCP e BE mantém “coerência”: são contra

Certo é que os socialistas já sabiam que não podiam contar com o PCP e o BE, que mantém a “coerência” nas suas posições sobre estes compromissos internacionais, admitiu aos jornalistas o deputado João Galamba, por isso a pressão do PS centrou-se inteiramente no PSD, que foi quem, juntamente com o CDS, assinou esses mesmos compromissos no quadro europeu e internacional na passada legislatura.

“Trata-se da tradução orçamental de um compromisso assumido por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas no no anterior Governo”, disse João Galamba, acusando os sociais-democratas de não votarem a favor destas normas por “oportunismo e chicana política”. “Não é o PS, nem o PCP e o BE, que têm de justificar o seu sentido de voto, é o PSD”, acrescentou, lembrando que as ajudas à Grécia e Turquia foram decididas pelo anterior Governo.

Tanto os comunistas como os bloquistas anunciaram logo esta manhã que iriam manter o voto contra as medidas sobre a transferência de verbas para estes países, mesmo depois de os socialistas terem aligeirado a formulação da frase. “A apreciação que fazemos da norma é exatamente a mesma”, disse o líder parlamentar comunista, João Oliveira, aos jornalistas no Parlamento reagindo à alteração cirúrgica hoje feita pelos socialistas.

O problema do PCP é sobretudo com a questão da Turquia, que João Oliveira diz estar a servir de “país tampão para os refugiados que chegam à Europa”. “Não estamos de acordo com o facto de se recorrer a outros países para servirem de tampão à entrada de refugiados”, disse.

No caso da Grécia, o PCP também sempre se mostrou contra por partir sempre do princípio que o programa de ajuda à Grécia se trata de um “pacto de agressão”. Essa verba para Atenas tem vindo a ser assegurada no Orçamento do Estado desde que, em novembro de 2012, os países do euro chegaram a acordo para abdicar destes lucros. Antes de Portugal pedir um resgate, em abril de 2011, o Orçamento previa uma norma, mas para transferir dinheiro dos empréstimos bilaterais da zona euro para o primeiro resgate à Grécia. Nessa altura, todos os partidos votaram a favor, incluindo o BE, à exceção do PCP e do partido ecologista Os Verdes, que votaram contra.

No ano passado contudo, quando Portugal transferiu 98,6 milhões de euros para aquele país, PCP e BE votaram contra esse artigo do OE.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Governo

Imposto sucessório: o imposto mais imoral de todos

Mário Amorim Lopes
7.779

Ao invés do que as gentes do Bloco e do PS julgam, o imposto sucessório não afectará as grandes fortunas, mas os pequenos aforradores, como o Sr José, que gostariam de deixar os filhos um pouco melhor

Sistema Financeiro

O Nó Górdio

José Conde Rodrigues

Os programas governamentais com ou sem fundos europeus, com ou sem capital de risco, com ou sem instrumentos de quase capital, são anunciados pela enésima vez sem que seja possível recorrer aos mesmos

Direitos das Mulheres

Feminismos à medida

Luís Aguiar-Conraria

O burquini é um símbolo da opressão das mulheres e é socialmente identificado com o extremismo islâmico com quem estamos em guerra. Não tem comparação com as roupas das freiras ou das judias ortodoxas