Homossexualidade

“Afirmações do subdiretor do Colégio Militar foram ‘gota de água’ para demissão”

O presidente da Associação Nacional de Sargentos considerou que as declarações do subdiretor do Colégio Militar sobre homossexualidade foram a "gota de água" para a demissão do Chefe do Estado-Maior do Exército.

Paulo Cunha/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS), José Gonçalves, considerou este sábado que as declarações do subdiretor do Colégio Militar sobre homossexualidade foram a “gota de água” para a demissão do Chefe do Estado-Maior do Exército.

“As afirmações do subdiretor do Colégio Militar não terão sido a razão de fundo para a demissão, mas a gota de água que fez transbordar o copo. É um acumular de situações para um homem que, aquando da sua tomada de posse, apostou em executar o mandato tendo em conta o bem-estar dos homens e da missão operacional”, adiantou à agência Lusa o responsável.

Na opinião do sargento-mor José Gonçalves, “não era uma polémica desta natureza que o iria levar à demissão”.

“Nesse quadro, e não querendo ver o que é evidente, a prova é que ‘o rei vai nu’, porque os problemas que se passam são transversais a todos os ramos das Forças Armadas. Apesar de que as razões para a sua demissão, que vieram a público, serem de ordem pessoal”, argumentou.

No entender do presidente da Associação Nacional de Sargentos, o Chefe do Estado-Maior do Exército (CEMA) viu goradas as expectativas que tinha projetado para o mandato.

“No nosso entender, não terá conseguido atingir as expectativas que projetou para o mandato”, disse.

No que diz respeito às declarações do subdiretor do Colégio Militar, José Gonçalves, a associação “não tem nada a dizer porque se inserem num quadro dos valores constitucionais e na esfera das liberdades individuais”.

O pedido de demissão do CEME ocorreu dois dias depois de o ministro da Defesa Nacional lhe ter pedido um esclarecimento a propósito de afirmações feitas pelo subdiretor do Colégio Militar sobre discriminação dos alunos homossexuais.

Numa reportagem publicada na sexta-feira pelo jornal ‘online’ Observador, o subdiretor do Colégio Militar, tenente-coronel António Grilo, afirmou: “Nas situações de afetos [homossexuais], obviamente não podemos fazer transferência de escola. Falamos com o encarregado de educação para que perceba que o filho acabou de perder espaço de convivência interna e a partir daí vai ter grandes dificuldades de relacionamento com os pares. Porque é o que se verifica. São excluídos”.

Ouvido pelo DN, na sequência destas afirmações, o Ministério da Defesa fez saber que pediu explicações ao CEME e assumiu que “considera absolutamente inaceitável qualquer situação de discriminação, seja por questões de orientação sexual ou quaisquer outras, conforme determinam a Constituição e a Lei”.

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, anunciou este sábado que já iniciou os procedimentos adequados visando a substituição do general Carlos Jerónimo, que pediu a exoneração do cargo de Chefe do Estado-Maior do Exército.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site