Logo Observador
X Convenção do Bloco de Esquerda

Catarina Martins põe voz de poder e diz que “isto é só o início”

593

Na primeira intervenção que fez ao partido, Catarina Martins falou como se fosse a primeira-ministra e enumerou as conquistas dos últimos meses. Até anunciou medidas e elevou fasquia das autárquicas.

Catarina Martins vestiu um fato pouco habitual. Falou como se fosse a voz do poder. Não o assumiu, mas parecia elencar medidas como uma primeira-ministra. No arranque da X Convenção do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido olhou pelo retrovisor e lembrou as conquistas que foram feitas em matéria de recuperação de rendimentos e direitos sociais desde que, no dia 14 de setembro, num debate televisivo: conforme fez questão de lembrar, desafiou António Costa a “abrir a porta a uma mudança na política portuguesa”. Falou como se as decisões tivessem sido tomadas pelo Bloco de Esquerda e não de uma aliança com o PS e o PCP. Nove meses depois, Catarina olha para a frente, diz que “cumpriu a palavra”, e até anuncia medidas: a aprovação da lei da renda apoiada e o fim das apresentações quinzenais periódicas nos centros de emprego.

Num discurso de 25 minutos, usou um tom que nunca se lhe tinha ouvido. Puxou dos galões e enumerou as conquistas dos últimos meses: o aumento do salário mínimo nacional – “e ainda vamos continuar a aumentar” -, o fim do congelamento das pensões, a reposição das prestações sociais cortadas e outras reforçadas, a proteção das habitações contra as execuções das finanças, as reversões das concessões dos transportes públicos, a reposição dos feriados, a defesa da escola pública na guerra do fim dos contratos de associação, etc. “Cumprimos a nossa palavra, e isto é só o início”, disse.

Numa altura em que os partidos que apoiam o Governo começam as negociações para preparar mais um Orçamento do Estado, não é só o Governo ou o PS que anunciam medidas. Também Catarina Martins usou o palco da convenção do BE para avançar que “já há acordo para ser aprovada no Parlamento a lei da renda apoiada que baixa as rendas e protege o direito à habitação”. Mais: “Já há acordo e vamos também acabar com a humilhação das apresentações quinzenais ao centro de emprego”. A rematar, a coordenadora bloquista lembrou ainda que já em julho vai entrar em vigor o automatismo da atribuição da tarifa social da luz e gás, aquela que classificou como uma das medidas de “maior impacto social dos últimos tempos”.

Se foi fácil conseguir esta mudança, Catarina diz que não foi. Mas que é essa a missão do novo Bloco de Esquerda enquanto partido que faz parte do novo arco da governação. “Há momentos em que é necessário a coragem para começar de novo porque algo tem de ser feito, este é um desses momentos“, disse, admitindo no entanto que “agora é que começam as coisas mais difíceis”.

Um partido reforçado, mas que ainda não é poder. E a prova de fogo da autárquicas

Se dúvidas houvesse que Catarina Martins estava ali para fazer prova de vida, a coordenadora do partido fez questão de desfazê-las na sua primeira intervenção. Em 2014, na última Convenção do partido, o Bloco estava a fragmentar-se, numa luta fratricida pelo poder que acabou num impasse. A coordenação bicéfala deu lugar a uma comissão permanente de seis. Era o desastre anunciado. Dois anos depois, na X Convenção do partido, Catarina Martins fez questão de lembrar, mais uma vez, que as notícias sobre a morte do partido eram manifestamente exageradas.

Por isso mesmo, e falando para os militantes, colocou o Bloco de Esquerda no centro de todas as conquistas alcançadas pela “geringonça”. O Bloco, insistiu Catarina Martins, é o maior responsável pelo “combate aos recibos verdes e ao falso trabalho temporário”, pela “defesa da escola pública”, pela “preservação quotidiana do Serviço Nacional de Saúde”, pelo “fim dos cortes inconstitucionais” e pelo caminho percorrido na defesa dos direitos trabalhadores. E só com o crescimento do Bloco de Esquerda foi “possível tirar a direita do poder e forçar o PS a um acordo”.

Se os últimos meses provaram que só um BE reforçado garante um país governado à esquerda, então é altura de dar mais força ao partido, foi pedindo Catarina Martins. A ambição é ser poder e ser Governo, não escondeu. “O Bloco teve 10% nas eleições. Determinámos a maioria, mas não temos ainda a força para fazer o Governo“, e “falta muito, falta mesmo o mais difícil”, mas o partido irá continuar a sua intervenção na defesa do emprego e dos pensionistas.

Chegados a este ponto, Catarina Martins colocou a pressão do lado de António Costa e do Governo socialista. “Tivesse o Bloco tido mais força e o Banif não tinha sido entregue ao Santander. Tivesse o Bloco mais força e o governador do Banco de Portugal não continuava a assustar o país com ameaças de colapso bancário umas atrás das outras. Tivesse o Bloco mais força e Portugal não tinha assinado com a Turquia a vergonha do acordo anti-humanitário que é o contrário do que a Europa tinha que fazer”, disse.

Não se falou apenas de legislativas, mas também de autárquicas, as eleições que se seguem. Sobre este tema, que é o elo mais fraco do Bloco, Catarina Martins não hesitou em dizer que serão a “prova fundamental” da “responsabilidade que cresce” no partido. “Encontramo-nos nas lutas por um país pensado para as pessoas, desenhado para a inclusão, projetado para os desafios do futuro. Dentro de ano e meio, as eleições autárquicas serão uma prova fundamental para dar força a essa experiência e responsabilidade que cresce”, disse.

Nas últimas eleições autárquicas de 2013, o Bloco de Esquerda perdeu a única presidência de câmara que detinha no país: a de Salvaterra de Magos. Catarina Martins pediu mais e mais para as próximas eleições.

edição vídeo de Flávio Nunes.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
X Convenção do Bloco de Esquerda

Estamos só a começar

Paulo Ferreira

Bastaram três dias para que o Brexit ganhasse discípulos em Portugal. Não deixa de ser irónico que nesta “bandeira” o Bloco tenha como companheiros os partidos anti-imigração e muitas vezes xenófobos.

Função Pública

Anomalia salarial

José Miguel Pinto dos Santos

Tendo os trabalhadores do Estado maior estabilidade no vínculo laboral deviam ter salários mais baixos para responsabilidades equivalentes. Não é o que sucede em Portugal. Nem na Venezuela ou em Cuba.