Logo Observador
Operação Marquês

Investigação suspeita que Sócrates pagou 100 mil euros a professor para lhe escrever livros

5.900

O MP suspeita que Domingos Farinho, um professor de Direito, terá recebido 100 mil euros de uma empresa de um sócio de Santos Silva para escrever o livro de Sócrates, avança a Visão.

MÁRIO CRUZ/LUSA

José Sócrates terá pago 100 mil euros a Domingos Farinho, um professor de Direito, para lhe escrever o livro “A Confiança no Mundo”, sobre a tortura em democracia, e que foi apresentado em Lisboa pelo ex-presidente brasileiro Lula da Silva, em outubro de 2013. O dinheiro terá sido pago ao escritor fantasma através de uma empresa de um sócio de Carlos Santos Silva, avança esta sexta-feira a edição online da revista Visão.

Segundo a Visão, a equipa de investigação da Operação Marquês suspeita que Domingos Farinho é o verdadeiro autor do livro de José Sócrates, que depois seria comprado em quantidades industriais por amigos próximos do ex-primeiro-ministro para inflacionar as vendas. Este professor e jurista terá recebido durante oito meses quatro mil euros mensais, mas não diretamente a partir de contas do ex-primeiro-ministro. De acordo com a revista, os pagamentos foram realizados através da RMF Consulting, uma empresa que está em nome de Rui Mão de Ferro, que também é arguido no processo e é sócio de Carlos Santos Silva noutras sociedades.

O contrato com a empresa de Mão de Ferro era de “prestação de serviços de apoio e assessoria na área jurídica” — válido entre janeiro e agosto de 2013 — e culminou com um prémio de 8 mil euros pela “conclusão dos serviços prestados”, apurou a Visão. A revista escreve que os investigadores contabilizaram um total de 40 mil euros em pagamentos ao alegado escritor fantasma. Para o Ministério Público, segundo a Visão, os valores dos pagamentos atingem os 100 mil euros quando são considerados os 60 mil euros que a advogada Jane Kirby, mulher de Domingos Farinho, recebeu da mesma empresa entre novembro de 2013 e outubro de 2014.

As suspeitas dos investigadores, segundo a Visão, é que estes pagamentos — realizados depois do lançamento de “A Confiança no Mundo — serviriam para remunerar Farinho pela redação de uma nova obra de José Sócrates sobre o “Carisma”. A revista refere que várias escutas telefónicas entre Sócrates e Farinho a combinarem detalhes da obra suportam estas suspeitas. O Ministério Público estará a considerar estes elementos como decisivos para comprovar que o dinheiro de Santos Silva era mesmo de José Sócrates.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vmatos@observador.pt