Orçamento do Estado

Teodora Cardoso diz que atingir meta do défice “é questão de fé” mas “perdão fiscal” pode ajudar

117

A presidente do Conselho de Finanças Públicas considerou que cumprir a meta do défice é "uma questão de fé" e que Portugal vai precisar de uma reestruturação da dívida "pela positiva".

Inácio Rosa/LUSA

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP) considerou que cumprir a meta do défice deste ano é “quase uma questão de fé”, mas admitiu que as receitas adicionais do “perdão fiscal” podem ajudar a alcançar o objetivo.

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estima que o défice até setembro tenha representado 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB), um valor que fica acima do objetivo do Governo para 2016 e que aumenta os desafios sobre a meta, exigindo um défice de 1,5% no último trimestre do ano.

À margem de um debate organizado pelas confederações de comércio luso-britânica e francesa, em Lisboa, a presidente do CFP, Teodora Cardoso, foi questionada sobre se ainda é possível alcançar a meta orçamental para este ano, de 2,5% do PIB, exigida por Bruxelas e respondeu: “É quase uma questão de fé”.

Mas eu diria que o Governo tem instrumentos que permitem fazer isso ou, pelo menos, acredita que tem. Esses instrumentos são basicamente dois: a própria gestão do fim de ano que permite muitas coisas e, por outro lado, tem a ver com a possibilidade de o PERES [Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado] trazer receitas adicionais. Eu penso que deverá ser isso que levará a conseguir chegar aos 2,5% ou 2,4% [meta prevista no Orçamento do Estado para 2017). E há uma coisa de que tenho a certeza: o Governo fará tudo apara chegar lá”, afirmou Teodora Cardoso.

Durante a intervenção no debate, a presidente do CFP foi crítica da atual política económica e orçamental, defendendo que as medidas tomadas durante o período da ‘troika’ não deveriam ter sido revertidas.

Os cortes de despesa que se fizeram nunca foram complementados como deviam ter sido, muito mais cedo e por medidas mais estruturantes. Porque medidas que simplesmente se traduzem num corte horizontal de salários e pensões têm um grande problema de que, assim como se fazem num dia, desfazem-se no dia seguinte. E nós estamos a assistir a isso. Esses cortes estão a ser revertidos sem que nada se tivesse passado entretanto. Ou pouco se passou. (…) Foi tudo muito insuficiente para compensar esse efeito [da reversão] e sobretudo para transformar a administração pública”, afirmou Teodora Cardoso.

No final do debate, e perante questões colocadas por empresários, a economista disse que seria difícil a Portugal pedir um novo resgate.

Eu não tenho a certeza se nós agora conseguiríamos um segundo resgate. Não é opinião é falar com base no que me dizem pessoas que são efetivamente responsáveis por negociar esse resgate. E que me dizem que é muito discutível se conseguiríamos. Convém começarmos a pensar que isto não é só continuar a gastar e à espera que no fim alguém apareça para resolver”, afirmou.

Portugal vai precisar de uma reestruturação da dívida “pela positiva”

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso, admitiu esta terça-feira que Portugal “vai precisar de uma reestruturação da dívida”, mas “pela positiva”, recusando um “haircut” (perdão), como aconteceu na Grécia.

A reestruturação da divida é algo de que Portugal vai precisar. Isto porque as taxas de juro nos mercados internacionais até estão em níveis negativos, mas vão subir e já estão a subir”, afirmou Teodora Cardoso, numa intervenção num debate promovido pelas câmaras de comércio francesa e luso-britânica, que decorreu esta terça-feira, em Lisboa.

Nesse sentido, a economista defendeu que “há uma reestruturação que é necessária, mas é a reestruturação que acontece pela positiva”, que deve resultar de “políticas económicas que levem a maior crescimento” e que coloquem Portugal perante os credores “como um país que consegue efetivamente servir a dívida no futuro”.

Segundo a presidente do CFP, isso faria com que o prémio de risco da dívida portuguesa baixasse. “Nessa situação poderemos ter a tal reestruturação, que advém de taxas de juro mais baixas e prazos mais longos. Mas isto num contexto de mercado e da avaliação dos credores da nossa capacidade de servir a dívida”, defendeu.

Isto porque, “a outra reestruturação, como a que sucedeu já na Grécia, com “haircuts” na dívida, traria dois tipos de problemas”: o impacto nos bancos, que têm “muita dívida pública portuguesa e os que já não estão bem e ficariam muito pior” e um “aumento do prémio de risco”.

Um país que deixa de ser capaz de pagar, evidentemente que vai ver-se com um prémio de risco maior, portanto o que deixa de perder de um lado passa a perder por outro”, afirma.

Na segunda-feira, os ministros das Finanças da zona euro acordaram, em Bruxelas, algumas medidas para aliviar a dívida grega no curto prazo, designadamente a nível dos prazos de pagamentos dos empréstimos dos parceiros europeus e taxas de juro aplicadas.

Os responsáveis europeus têm rejeitado liminarmente a adoção de medidas idênticas de alívio da dívida para outros países que estiveram também sob programa, como Portugal, defendendo que o caso da Grécia é único.

Na anterior reunião do Eurogrupo, celebrada em novembro, o líder do Eurogrupo garantiu não foi, nem será discutida uma eventual renegociação dos juros da dívida portuguesa, argumentando que há uma “grande diferença” relativamente à Grécia.

Não discutimos e não vamos discutir, porque Portugal é capaz de gerir a sua própria dívida. E não estamos certos de que assim seja no caso da Grécia, é essa a grande diferença. Não vamos confundir” as situações, declarou o presidente do Eurogrupo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro
120

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Incêndios

O governo da desistência nacional

Rui Ramos

Houve quem tivesse notado que nenhum outro presidente da república fora tão duro desde o general Eanes. Mas o ponto é que também nunca um chefe de governo foi tão frouxo na sua resposta ao presidente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site