Logo Observador
Benfica

Benfica tetracampeão. Rui Vitória, o tetra e as aulas de História

235

Rui Vitória acabou de passar pela sala de imprensa na primeira conferência como tetracampeão. Quando lhe falaram de penta, disse logo "calma aí". E sobre este título? Lembrou-se dos tempos de aluno...

AFP/Getty Images

Rui Vitória estava diferente, mais sorridente. A certa altura, até fez uma graça antes de uma pergunta. A primeira conferência de imprensa do treinador tetracampeão trouxe uma versão mais descontraída do técnico. Sobre o penta, nem uma palavra. Para rematar, uma recordação dos tempos de aluno. E das aulas de História.

“Foi uma boa exibição, mas o fundamental era ganhar os três pontos e conquistar o título. Entrámos de tal forma determinados que não demos hipótese ao Vitória de discutir o jogo. Tivemos uma exibição categórica, de gala. Em quem pensei? Lembrei-me de muita gente mas este é um trabalho de muita gente. Começa no presidente, que lidera tudo. Os jogadores foram uns campeões, empenhados dedicados, sempre na frente do Campeonato. Depois, as pessoas que trabalham comigo, porque estou aqui eu mas existem muitas pessoas, que são muito bons. E as pessoas todas que trabalham aqui, no Seixal, da comunicação ao marketing, centenas de pessoas que trabalham no Benfica”, começou por referir Rui Vitória na sala de imprensa do estádio da Luz.

“Este título foi difícil. No ano passado foi disputado até ao fim, mediaticamente mais forte. Este título foi mais difícil e mais saboroso. Tínhamos de estar nos nossos limites porque iam tentar tirar o que conquistámos. Penta? Calma, agora é saborear esta criança… Daqui a uns tempos falamos sobre isso. Temos noção de que foi um trabalho duro que temos de continuar para a frente. São factos, quatro anos consecutivos a ganhar que ficam na história do Benfica. A partir de agora temos de focar-nos para mantermos assim”, salientou antes de um remate… para golo.

“Quando estudava História via algumas coisas nos livros e pensava como terá sido com as pessoas que tinham vivido tudoo aquilo que estudava. Aqui é a mesma coisa, o sentimento é um pouco o mesmo. Somos tetra, mas temos de fazer jus a todos os tris, gerações de grandes jogadores que estiveram perto de conseguir quatro títulos”, finalizou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
PSD

O erro dos críticos de Passos Coelho

Rui Ramos

À oligarquia, basta um governo que faça contas para Bruxelas ver. Ora, isso Costa já provou que é possível com o PCP e o BE. Não precisa do PSD. Nem o de Passos Coelho, nem o de quem quer que seja.