Emissões Poluentes

Microfibras poluentes que vão da nossa roupa até ao nosso prato

Estudos têm vindo a provar que as microfibras sintéticas são uma das maiores fontes de poluição dos oceanos do mundo. Estas interferem na cadeia alimentar, ao serem facilmente consumidas por peixes.

Assim, as microfibras absorvidas pelos peixes são, inevitavelmente, ingeridas por quem os consome. No topo da cadeira alimentar, estamos nós.

Getty Images

Estudos têm vindo a provar que as microfibras sintéticas, como o poliéster e o acrílico, são uma das maiores fontes de poluição dos oceanos do mundo. Devido ao seu tamanho, interferem na cadeia alimentar, ao serem facilmente consumidas por peixes e outros animais.

Tudo começa com a lavagem da nossa roupa, onde são libertadas pequenas fibras, que percorrem e escapam nos sistemas de tratamento de águas residuais. Libertadas para o oceano, onde são facilmente consumidas por peixes e outros seres marinhos, as microfibras sintéticas causam particular preocupação, pois põem em causa a cadeia alimentar, como explica o estudo da equipa de investigação de Santa Barbara, da Universidade da Califórnia.

Assim, as microfibras absorvidas pelos peixes são, inevitavelmente, ingeridas por quem os consome. No topo da cadeira alimentar, estamos nós.

A indústria têxtil, que tem a possibilidade de ajudar a travar o problema, tem sido lenta a responder, de acordo um relatório lançado na passada terça feira pelo projeto “Mermaids”, um consórcio de investigadores e especialistas do setor têxtil europeu. O relatório recomenda mudanças à indústria, como a utilização de proteções que diminuam esta libertação de fibra.

Maria Westerbos, diretora da “Plastic Soup Foundation”, uma organização sem fins lucrativos e parceira do projeto “Mermaids”, pede à indústria têxtil para seguir as recomendações do relatório.

Até agora quase não vimos nenhum esforço por parte da indústria têxtil para resolver o problema na fonte”, disse em declarações ao The Guardian.

Face aos resultados que se têm vindo a descobrir, várias são as empresas que tentam, em parte, resolver o problema. Uma empresa alemã criou “Guppy Friend”, um saco colector de fibra que mantém os sintéticos enquanto lava a roupa. Também “Cora Ball”, que recentemente conseguiu reunir fundos através do site “Kickstarter”, é lançada para a máquina de lavar e atrai e entrelaça as fibras. De momento não é possível quantificar se estão a ser bem sucedidos.

Natalia Ivleva, professora no Instituto de Hidroquímica, na Universidade Técnica de Munich afirma que “conhecer a extensão da contaminação do microplástico é crucial para surgirem ideias reais e regulamentações que as implementem”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

Falar de André Ventura

Alexandre Homem Cristo

Ventura está a ser sobrevalorizado – enquanto candidato e, mais ainda, enquanto intérprete de novos rumos para a direita. Um erro que, perante a tentação de leituras nacionais, será importante evitar.

Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site