Logo Observador
Human Rights Watch

Human Rights Watch denuncia isolamento do ex-presidente Morsi do Egito

O ex-presidente do Egito está isolado na prisão, sem visitas de advogados ou familiares. A Human Rights Watch denunciou as condições a que Mohamed Morsi tem estado sujeito.

Morsi é membro da Irmandade Muçulmana, declarada como uma organização terrorista

MOHAMED HOSSAM/EPA

O ex-presidente egípcio Mohamed Morsi continua praticamente isolado na prisão, sem visitas de advogados ou de familiares, apesar da deterioração do estado de saúde, denunciou a Human Rights Watch esta segunda-feira. A organização de defesa de direitos humanos disse que Morsi recebeu apenas duas “breves visitas” de familiares e advogados desde que foi destituído do cargo de Presidente na sequência do golpe de Estado, em 2013.

Segundo a Human Rights Watch as condições em que Morsi se encontra preso vão contra o direito à defesa das inúmeras acusações judiciais, assim como podem contribuir para o agravamento do estado de saúde do antigo chefe de Estado. Familiares do ex-Presidente disseram à Human Rights Watch que, na primeira semana de junho, o político, de 68 anos, desmaiou duas vezes e sofreu um ataque de diabetes.

O diretor-adjunto da Human Rights Watch para o Médio Oriente e Norte de África refere em comunicado que a situação em que se encontra Mohamed Morsi é um exemplo “das terríveis condições em que se encontram milhares de presos políticos no Egito”.

A mulher e uma filha de Morsi foram autorizadas a visitar o ex-presidente durante 30 minutos no passado dia 4 de junho, pela primeira vez, desde novembro de 2013, mas os restantes quatro filhos não foram autorizados a visitar o pai. No dia 4 de junho, as autoridades também autorizaram a entrada de um advogado – durante 10 minutos – tratando-se da primeira visita de caráter judicial desde janeiro de 2015.

Morsi foi condenado à morte por, alegadamente, ter tentado fugir, tendo sido depois sentenciado a cadeia perpétua, que no Egito corresponde a 25 anos de prisão, por conspiração e espionagem. Ambas as acusações foram anuladas depois de os advogados terem apresentado um apelo a um tribunal do Cairo que ordenou a repetição do julgamento.

Três jornalistas e outras sete pessoas foram também condenadas num outro caso de espionagem relacionado com a entrega ao Qatar de documentos sobre segurança de Estado, em 2012. Um outro tribunal condenou Morsi a 20 anos de cadeia no caso sobre uso de violência policial que causou a morte a vários manifestantes durante os protestos de 2012, frente ao Palácio Presidencial de Itihadiya, no Cairo, e que marcaram o início do afastamento do Presidente.

Morsi é membro da Irmandade Muçulmana, organização que conseguiu o poder após a vitória nas eleições de 2012 no Egito, tendo sido declarada como organização terrorista após o golpe de Estado, um ano depois.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt