PSD

Ex-líder da JSD desfilia-se descontente com Passos e denuncia que “há racistas” no partido

2.859

Jorge Nuno Sá diz que gota de água foi nada ter acontecido quando André Ventura defendeu o regresso da pena de morte. Denuncia ilegalidade nas escolhas para Lisboa e que há racistas e sexistas no PSD.

O antigo líder da JSD, Jorge Nuno Sá, vai abandonar o partido, descontente com as opções da atual direção. Desiludido com o rumo do PSD e falta de democracia interna, Jorge Nuno Sá solicitou na terça-feira à tarde a desfiliação partidária — segundo confirmou o próprio ao Observador — e enviou uma carta a Pedro Passos Coelho onde explica as razões da sua saída.

Jorge Nuno Sá, que liderou a “jota” entre 2002 e 2005, define o PSD como “um barco à deriva“, denuncia que “há racistas” no partido e que centenas de candidatos autárquicos do partido em Lisboa foram escolhidos à margem dos estatutos. O caso torna-se ainda mais grave pelo facto de em Portugal ser raro um ex-dirigente de uma juventude partidária desfiliar-se do partido.

Na carta enviada ao líder — à qual o Observador teve acesso — o também conselheiro nacional demissionário denuncia a falta de democracia interna: “Ou estamos alinhados com uma espécie de poder informal instituído que comanda o partido ou nada podemos”. Jorge Nuno Sá acrescenta ainda: “Não gosto, mas admito que haja pessoas racistas no meu partido, desde que as possa combater. Não me deixo perturbar muito com as declarações sexistas de Abreu Amorim, além de caracterizarem mais o próprio do que outrem, desde que as possa contrariar”. O ex-líder da JSD diz ainda que foi ultrapassada “a última das linhas vermelhas” a partir do momento em que “um qualquer candidato do PSD [André Ventura] equaciona a reintrodução da pena de morte, e nada acontece, aí é o fim da linha.

Jorge Nuno Sá explica que o problema do partido “é de facto mais profundo, como se viu em Lisboa ou em Viana nas escolhas autárquicas, o que importa é ser amigo de quem manda, pois os órgão legítimos e próprios do Partido com poder de decisão não reúnem, ou pior: são impedidos de reunir, não vão os militantes ter opiniões divergentes…”

O ex-líder a JSD denuncia, desta forma, o desrespeito pelos estatutos no caso de Lisboa. O ex-líder da JSD, defende que “das centenas de candidatos que o PSD apresenta em Lisboa apenas cinco cumpriram os requisitos estatutários.” Esses cinco — nomeia Jorge Nuno Sá para que não paire “qualquer dúvida” — são a candidata à autarquia, Teresa Leal Coelho, e os quatro presidentes de junta que se recandidatam. E acrescenta: “Foram os únicos 5 que eu enquanto militante me pude pronunciar e fi-lo.”

Ora, para Jorge Nuno Sá “todos os outros carecem de legalidade interna, por motivos vários, como falta de legitimidade de propositura, avocação não prevista estatutariamente (…), mas dou apenas um que engloba todos: o plenário dos militantes de Lisboa não se pronunciou sobre nenhum deles”. O ex-líder da juventude partidária e conselheiro nacional eleito no último congresso, questiona: “Se temos um naipe de candidatos tão bom porquê o medo do voto dos militantes? Porquê violar as regras de funcionamento do partido? Porquê violar aquilo que é a nossa Constituição: os Estatutos Nacionais do PSD?”

Jorge Nuno Sá reconhece que “o PSD apresenta belíssimos candidatos como o José Eduardo Martins à Assembleia Municipal, ou, por exemplo, o Pedro Proença à Freguesia das Avenidas Novas” e, por isso o PSD não devia “fazer-lhes a maldade de não cumprir os requisitos estatutários”.

Sobre a sua saída, o ex-líder da JSD, explica que:

O problema não é apenas o PSD ser neste momento um barco à deriva, e eventualmente afundar, já perdi e já me afundei junto daqueles em que acredito e convictamente defendo, para depois me reerguer e construir algo de novo. O problema é essa deriva levar-me a um porto para o qual eu não quero ir e nada poder fazer, pois não tenho garantias nem instrumentos aos quais recorrer.

Logo no início da missiva, Jorge Nuno Sá começa por dizer a Passos Coelho que esta é “a carta que não queria escrever”, lembrando que tem “um quarto de século de militância, ao que para alguém que acabou de completar 40 anos é mais de metade da vida.”

O ex-líder da JSD lembra que sempre teve disciplina, já que “ser membro de um partido implica perder capacidade de intervenção pessoal em prol de um grupo, de um coletivo” e por isso aceitou várias vezes que o partido seguisse opções com as quais não concordava. Lembra que “entre outras ocasiões” ficou “sozinho a votar contra a recandidatura de Cavaco Silva a Belém”. Perdeu, mas ficou num “silêncio absoluto”.

O que verdadeiramente incomoda Jorge Nuno Sá e o grande problema é ser-lhe “negada” a “participação nas decisões internas”, numa alusão à escolha dos candidatos autárquicos em Lisboa. Foi por isso que se demitiu de conselheiro nacional na última reunião do órgão máximo entre congressos: “Demiti-me no último Conselho Nacional alertando para o que se estava a passar. Fi-lo no limite. Foi um grito interno a dizer que o rei vai nu. Mas nada aconteceu…”

Dirigindo-se diretamente a Passos Coelho, Jorge Nuno Sá, lembra ao líder, tratando-o por tu:

Não podes dizer que ignoras ou não sabias, eu disse-te! Cara a cara sem meias palavras nem jogadinhas de bastidores, como sempre fiz.”

Jorge Nuno Sá diz também a Passos Coelho que tem “estima e admiração pessoal”, e que lhe reconhece “o mérito de tirar um país da bancarrota”, o que exigiu “coragem e resiliência”. E acrescenta: “Não esqueço, não sou ingrato.” Ainda assim, há 25 anos, quando ingressou no PSD, Jorge Nuno Sá acreditava numa “social-democracia “à Portuguesa” como afirmavam os fundadores assente num pilar Liberal e Reformista”, mas agora deixou de ter espaço.

É assim que se despede do partido, 25 anos depois:

O PSD tem feito escolhas e opções que eu não gosto, não quero, não subscrevo, e ao mesmo tempo retirou-me os instrumentos que eu tinha para os contestar e combater. Assim Não!

Os nossos caminhos separam-se aqui, deixei de acreditar.”

No último congresso, em abril de 2016, Jorge Nuno Sá encabeçou uma lista ao Conselho Nacional do PSD. Obteve 35 votos, elegendo quatro conselheiros ao Conselho Nacional. Jorge Nuno Sá demitiu-se de conselheiro nacional na última reunião deste órgão a 29 de junho. Depois de muito ponderar, desfiliou-se do partido esta terça-feira, 12 de setembro.

Ventura acusa Jorge Nuno Sá de “conversa da treta”

André Ventura — a quem Jorge Nuno Sá faz referência quando diz que um candidato do PSD defendeu a pena de morte — acusa o ex-líder da JSD de usar “miseravelmente” o seu nome “para anunciar uma decisão pessoal (sair do partido) juntando-se àqueles que esperam a derrota [do PSD] em Loures”. O candidato socia-democrata tem “pena que essa atitude venha de um companheiro de partido e em véspera de eleições tão importantes”.

Ventura diz que “Jorge sabe muito bem” que o candidato do PSD não defendeu “a pena de morte, nem a sua reintrodução.” E volta a justificar: “Disse que não me choca que terroristas ou pedófilos sejam em alguns casos executados… e são-nos em algumas das democracias mais avançadas do mundo”

O candidato do PSD a Loures diz ainda que “é precisamente por causa dessa conversa da treta que o PSD anda arredado do poder em Lisboa há uma década e nunca o teve em Loures. São saudades de um tempo que já não volta e não diz nada às pessoas“.

André Ventura deixa ainda um “recado” a Jorge Nuno Sá: “Não seja medricas. Seja corajoso, quando queremos mudar o partido não o abandonamos, lutamos no seu interior pelas nossas posições. Eu fá-lo-ei sempre assim, tenha comigo 5% ou 95% das pessoas”.

Artigo atualizado às 20h19 com a resposta de André Ventura a Jorge Nuno Sá.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site