Incêndios

Três motoristas homenageados pelo profissionalismo nos incêndios de outubro

349

Três motoristas de uma empresa de transporte rodoviário de passageiros fora homenageados pelo "mérito e profissionalismo" demonstrados em serviço nos incêndios que mataram 45 pessoas.

TIAGO PETINGA/LUSA

Três motoristas de uma empresa de transporte rodoviário de passageiros foram esta sexta-feira homenageados, em Coimbra, pelo “mérito e profissionalismo” demonstrados em serviço nos incêndios de 15 de outubro, que mataram 45 pessoas.

Eduardo Botto, António Castro e Fernando Alves, da empresa Transdev Portugal, conduziam autocarros repletos de passageiros quando foram “apanhados” pelo fogo e tiveram de efetuar diversas manobras para evitar as chamas.

“Pelo valor que atribuímos à segurança, reconhecemos e distinguimos o brio e profissionalismo demonstrados por estes motoristas”, salientou o diretor executivo da empresa Pierre Jaffard, na homenagem que decorreu numa unidade hoteleira de Coimbra.

O administrador frisou a “forma responsável, corajosa e profissional” como os três condutores enfrentaram as situações adversas provocadas pelos fogos com que se depararam nos seus percursos.

O caso mais mediático passou-se com Eduardo Botto, de São João da Pesqueira, que, no IP3, em direção a Coimbra, foi várias vezes surpreendido pelo fogo e teve de atravessar um “túnel de chamas” com 48 pessoas a bordo em pânico.

“Os passageiros diziam para eu não os deixar morrer e eu disse-lhes que não os abandonava e que iria lutar por eles”, disse o motorista aos jornalistas, salientando que teve de “avançar, sem visibilidade, entre fumo e chamas” para escapar ao cerco do fogo.

O autocarro ainda pegou fogo na traseira, mas os bombeiros conseguiram apagar a ignição.

Fernando Alves, de Condeixa-a-Nova, fazia a viagem Cabanas de Viriato para Coimbra, também no IP3, quando foi impedido de prosseguir viagem. Volta a Viseu e apanha a A25, com o objetivo de ir até Albergaria e mudar para a A1, mas em Vouzela as chamas impediram o seu percurso e teve de refugiar-se na área de serviço.

Com as chamas a cercarem “rapidamente” a área de serviço de Vouzela, Fernando Alves conduziu em contramão em direção a Viseu e conseguiu chegar a Tondela, onde julgava estar livre de perigo, mas o “fogo diabólico chegou rápido” e teve de “fugir novamente” para um jardim. E aí se manteve até às 04:00, hora em que retomou a marcha com 52 pessoas dentro do autocarro.

“Em Vouzela pensei que morríamos todos, tal era o fogo e a velocidade do vento”, disse aos jornalistas.

Já António Castro, que fazia a ligação Braga-Guarda, teve de mudar a rota para escapar ao fogo e esperar várias horas na central de camionagem de Albergaria-a-Velha e utilizar o sangue frio para “acalmar as pessoas, que tinham crianças consigo”. A viagem que deveria ter terminado às 23h00 prolongou-se até às 11h00 do dia seguinte.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15, o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades, provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta foi a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 vítimas mortais e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site