COTEC

Marcelo. “Estamos a conceber novas economias com base em sistemas políticos rígidos e ultrapassados”

208

Marcelo diz que a uma economia 4.0 deve corresponder um sistema político 4.0. Num evento da COTEC, diz que UE deve antecipar a mudança. E que sistemas políticos dos anos 70 estão "ultrapassados".

MÁRIO CRUZ/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa quer que o desenvolvimento económico e tecnológico seja acompanhado por um desenvolvimento do sistema político e também do sistema social. Num discurso em Mafra, no XII Encontro da COTEC Europa, Marcelo disse que as estruturas políticas que atualmente vigoram foram desenhadas nos anos 70 do século passado, e que isso pode “não inviabilizar o desenvolvimento da economia, mas travar o ritmo futuro”. “Não podemos querer ter uma economia 4.0 com sistemas políticos 2.0 ou 3.0”, disse.

Num evento dedicado ao tema “WORK 4.0: Rethinking the Human-Technology Alliance”, o Presidente da República falou de inovação, mudança e desenvolvimento tecnológico, mas com recados para a concepção do sistema político. “Estamos a conceber novas economias com base em estruturas políticas concebidas para a Europa e para o mundo dos anos 70 a 90, se não antes, estruturadas ultrapassadas, rígidas, distanciadas dos povos“, afirmou.

Antes, contudo, tinha dito que “tudo muda muito rápido, a um ritmo vertiginoso e muito estimulante”, e que, nesta fase, “nada parará a mudança”. Essa mudança, na sua visão, pode e deve também passar pelos sistemas políticos e sistemas sociais, nomeadamente pela organização da União Europeia — que deve “acompanhar e antecipar” a mudança.

Temos de ser profundamente europeus, refazendo a UE sem hesitações nem estados de alma, temos de juntar o saber que inova, a fé nas pessoas, que é princípio e fim da economia e da política, na estratégia que converte os ideais em realidades”, sublinhou.

Para isso, defendeu uma política 4.0. “Esta economia 4.0 não exigirá uma União Europeia 4.0? Não exigirá sistemas políticos 4.0? E sistemas sociais 4.0? Uma resposta simples dirá que a mudança em curso é imparável e que tudo o mais vem por arrastamento. Nada parará a mudança, a questão é que essa mudança pode ser mais ou menos rápida, mais ou menos duradoura, mais ou menos justa, conforme for acompanhada e antecipada pela União Europeia, pelos sistemas políticos e sistemas sociais“, defendeu.

Segundo Marcelo, a UE deve “aproveitar os poucos meses que faltam para o início do longo processo eleitoral de 2019” e deve “ousar ir mais longe na definição do horizonte para além de 2021”. Isto em termos de União Económica e Monetária, de inovação e saber, de migrações, de questões de segurança, defesa ou até pedagogia para os mais jovens, enumerou.

No final da intervenção, resumiu o que tinha acabado de deixar ali no palco do evento da COTEC Europa, no Palácio de Mafra: “Três reflexões breves, ditadas por este lugar que convida à meditação que deve antever todas as batalhas do nosso quotidiano”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site