Uma das maiores controvérsias em torno das projeções vai para o crescimento da economia. É impossível fazer uma projeção exata, mas o desencontro entre o que se esperava e o que aconteceu foi considerável.

O Governo e a ‘troika’ esperavam, para o período do resgate, dois anos de recessão e dois anos de crescimento. Portugal recuperaria quase toda a riqueza destruída nos dois primeiros anos do programa, na segunda metade do resgate.

O que aconteceu foi diferente. A economia sofreu três anos de recessão, em 2011, 2012 e 2013, com a ‘troika’ em Portugal, ao registar variações negativas na evolução do PIB de 1,6% em 2011, 3,2% em 2012 e 1,4% em 2013.

O crescimento previsto para este ano, embora melhorado face a algumas previsões entretanto feitas pelas autoridades, é de apenas 1,2%, quando o esperado inicialmente era mais do dobro: 2,5%.