A Brigada do Mar, um grupo de voluntários que está a limpar a costa de Grândola, revelou esta sexta-feira ter encontrado crude numa extensão de 10 quilómetros, entre as praias da Aberta Nova e do Pinheirinho.

“É uma linha de crude, numa extensão ainda considerável. São cerca de 10 quilómetros”, entre as praias da Aberta Nova e do Pinheirinho, descreveu à agência Lusa um dos responsáveis da Brigada do Mar, Simão Acciaioli.

Segundo o voluntário, o foco de poluição foi detetado na quinta-feira de manhã, na zona de Pinheiro da Cruz, tendo-se tornado “mais visível” ao fim do dia, e esta sexta-feira já se pode observar mais uma linha, paralela, embora “mais fina”.

As últimas indicações apontam para uma causa: a limpeza de um petroleiro, que estava em curso esta semana naquela zona.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao Observador, o Presidente da Câmara Municipal de Grândola, António Mendes, disse não saber as causas do aparecimento da poluição, mas acredita que “se criou um certo alarmismo” com a situação. “Foram acionados os mecanismos da Proteção Civil”, garantiu o munícipe, que informou ainda que na manhã desta sexta-feira, “às 7h30, já estava na praia a Proteção Civil e o Instituto do Ambiente”, que terão recolhido 10 a 15 toneladas de areia contaminada.

“Neste momento, a situação está praticamente resolvida”, afiançou António Mendes, que remeteu a responsabilidade pela investigação das causas desta poluição para a Capitania do Porto de Setúbal e a Polícia Marítima, que garantiu ao Observador estarem a decorrer as diligências para o apuramento de responsabilidades enquanto decorrem os trabalhos de limpeza.

O Presidente da câmara de Grândola adiantou que a praia onde a mancha de crude foi encontrada “não está concessionada” e que o município tem procedido nas últimas semanas, juntamente com a Brigada do Mar, à limpeza das praias e a ações de sensibilização ambiental.