Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A final da Liga dos Campeões que se disputa este sábado no Estádio da Luz porá em confronto duas equipas madrilenas, mas isso é das poucas coisas que une os dois clubes. Financeiramente, a comparação entre ambos coloca-os ao nível de David e Golias.

Para se ter uma ideia de quão diferente é a dimensão dos dois emblemas, esta época o Atlético de Madrid gastará 55 milhões de euros em ordenados dos jogadores da equipa principal. Cristiano Ronaldo, na equipa merengue, recebe 40 milhões brutos por ano. Ou seja, se o Atlético vencer a competição, será a equipa com a menor despesa em ordenados a ganhá-la desde o FC Porto, vencedor em 2004 – cuja folha de pagamentos era de 39 milhões de euros.

Que o Real Madrid é uma das maiores potências do futebol mundial não é surpresa. O que surpreendeu muitos foi a época do Atlético de Madrid, que, este sábado, poderá juntar ao título de campeão nacional o de campeão europeu. E isto numa situação financeira delicada. Já este mês, o Atlético anunciou que, na época passada, ficaram em atraso 37% dos pagamentos a fornecedores e que um dos dirigentes do clube, Miguel Angel Gil, teve de dar a sua casa como garantia para garantir um empréstimo.

O Real Madrid é, de acordo com um estudo da Deloitte, o clube mais valioso do mundo: teve receitas de 518,9 milhões de euros em 2012/2013. O Atlético é o vigésimo, com receitas de 120 milhões. Comparativamente ao Barcelona e ao Real – que gastam, em média, cerca de 8 milhões de euros por ano por cada jogador -, o Atlético gasta à volta de três.

Além disso, o emblema merengue tem o seu plantel avaliado em cerca de 570 milhões de euros (só Ronaldo vale 100), enquanto que o plantel do Atlético vale 282 milhões, de acordo com o site Transfermarkt.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR