Sabia que, em Portugal, há 400 mil vítimas de assaltos e que um terço dos casos nunca chega ao conhecimento das autoridades? Partindo desta premissa, uma aluna da Universidade do Minho criou uma plataforma online que pode vir a ser muito útil ao cidadão e às polícias. Trata-se de uma página de internet onde é possível cada vítima assinalar o local e a descrição do crime. O utilizador pode ainda procurar artigos furtados ou roubados e seguir alguns conselhos de segurança.

Licenciada em Criminologia e a terminar o mestrado na Universidade do Minho, Laura Jota, 23 anos, pensou neste serviço depois de alguns dados que recolheu para a tese. “Percebi que não havia muita investigação académica sobre a temática dos furtos e roubos”, disse ao Observador. Entrevistou nove reclusos que lhe explicaram como cometiam os crimes, os critérios de escolha das vítimas e o que procuravam. Depois falou com sete vítimas de roubo e furto. E ainda acompanhou vários processos, desde a queixa ao julgamento, enquanto estagiou no tribunal de Guimarães.

Em www.mapscrime.com, qualquer vítima de crime pode descrever a ocorrência e consultar outros casos registados de norte a sul do País. “Estamos online há dias e já temos 15 registos. A aplicação ficou disponível ontem”, explica Laura Jota, a escassas horas da apresentação pública do serviço, no auditório de Engenharia II do campus de Gualtar, em Guimarães.

“Os cidadãos em geral recusam a burocracia e a espera de uma hora na esquadra para denunciar o furto da mala ou do autorrádio. Com o MapsCrime, a ocorrência é registada fácil e rapidamente, pelo computador ou smartphone, ajudando também outras pessoas e os agentes da lei”, diz Laura Jota.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O projeto de Laura Jota já foi premiado pela Associação Nacional de Jovens Empresários e recebeu bolsas do Estado para o empreendedorismo. É apoiado pela incubadora SpinPark, em Guimarães. “Tenho algumas pessoas a trabalhar comigo neste projeto. Agora vou esperar que funcione”.

Laura Jota a apresentar o serviço MapsCrime

Laura Jota a apresentar o serviço MapsCrime