Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O número dois do partido catalão Convergência e União (CiU), no Governo, anunciou este sábado a demissão do cargo em divergência com as ambições independentistas de Artur Mas, noticia este domingo o jornal espanhol El Periódico. Josep Antoni Duran, porta-voz do partido no Parlamento catalão e secretário-geral da União Democrática da Catalunha, partido que integra a coligação CiU, diz que a aposta independentista do presidente do Governo Regional vai conduzir a um fracasso eleitoral, e por isso recua.

A demissão será formalizada a 19 de junho, depois da entronização oficial do rei Felipe VI. A gota de água que fez acelerar o pedido de demissão foi a abstenção da CiU na votação da lei sobre a abdicação do Rei que permitiu dar seguimento ao processo de sucessão do trono espanhol. Só Duran e outro deputado democrata-cristão defenderam o ‘sim’.

Mas as divergências com Artur Mas já vêm detrás e, segundo o El Periódico, o governante catalão já estava a equacionar o afastamento desde que o presidente do Governo Regional antecipou o referendo na sequência da grande manifestação de 2012 pela independência da Catalunha.

A Catalunha quer referendar a independência face a Espanha no dia 9 de novembro, numa consulta popular que o Governo de Madrid já considerou inconstitucional.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR