Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A economia norte-americana registou uma contração de 2,9% durante o primeiro trimestre de 2014 em comparação com o desempenho verificado nos três primeiros meses do ano anterior, de acordo com os dados divulgados nesta quarta-feira pelo gabinete de análise económica do departamento de comércio dos Estados Unidos. O número agora anunciado corresponde à terceira revisão feita ao comportamento do produto interno bruto no período em causa e representa um agravamento da quebra da atividade económica em 1,9 pontos percentuais perante a segunda revisão, que colocou a variação do produto em 1%.

Uma evolução do consumo mais débil do que aquela que foi estimada inicialmente e uma redução das exportações mais acentuada em relação àquela que foi calculada anteriormente são a explicação daquele departamento da administração norte-americana para o desempenho negativo que se verificou de janeiro a março de 2014. No último trimestre de 2013, o PIB dos Estados Unidos cresceu 2,6% e as estimativas iniciais para o primeiro trimestre deste ano apontavam para um crescimento ligeiro de 0,1%.

Analistas citados pelo Financial Times consideram que esta revisão não implica que a economia norte-americana tenha começado a atravessar uma fase de recessão e indicam esperar um crescimento próximo de 3% durante o segundo trimestre deste ano. Para o jornal britânico, a revisão em baixa não é considerada surpreendente devido às más condições climatéricas, que levaram ao encerramento de fábricas, ao cancelamento de serviços de transportes e mantiveram os consumidores afastados dos estabelecimentos comerciais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR