Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dos cerca de 3,5 milhões de processos que vão ser transferidos informaticamente, há papeis de 730 mil processos que têm de mudar de sítio – seja porque o tribunal fechou ou porque a nova configuração de tribunais e secções assim o exige. Fonte do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) garantiu, esta quarta-feira, que essa é uma operação que vai contar com a colaboração da GNR e das autarquias. E até já há um manual de segurança que deve ser seguido no armazenamento e no transporte.

“Um processo em formato eletrónico não tem que ser o processo completo. Pode ser composto apenas pelo nome das partes e por toda a correspondência trocada, ou seja, atos processuais”, adverte a fonte do IGFEJ. É por isso que, até 1 de setembro de 2014, além dos 3,5 milhões de processos a transferir eletronicamente, há também que transferir milhares, se não milhões, de folhas correspondentes a 730 mil processos.

“Vamos contar com a colaboração das autarquias e da GNR para transportar. Há já um manual de segurança de todos os cuidados a ter, como por exemplo, a forma de selar os processos. Mas essa mudança vai ser feita mais para a frente”, explicou.

Além de virem dos 20 tribunais que vão fechar portas e dos 27 que são convertidos em secções de proximidade, estes processos podem vir de tribunais que mudam a sua configuração. Recorde-se que com esta reforma o país fica dividido em 23 comarcas, a que correspondem 23 grandes tribunais com sede em cada uma das capitais de distrito.

A mesma fonte ressalva, ainda, que os 3,5 milhões de processos que se fala correspondem aos processos pendentes. Fora estes, há ainda um grande arquivo de processos que o governo pretende “arrumar” num arquivo central. “Não sabemos ainda quantos, mas a ideia é fazer um arquivo central. E isso também será tratado posteriormente disso”, disse.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A ministra da Justiça, Paula Teixeira Cruz, garantiu que está tudo pronto para avançar com o contestado mapa judiciário, a 1 de setembro. Prova disso é a fase de testes nesta altura, em “final de junho”. E nem as obras em curso nalguns tribunais a fazem hesitar. “Estão a decorrer conforme o previsto” e “não foram sinalizados atrasos”. A ministra também salientou que, apesar dos “problemas” que existiram nalgumas nomeações, “tudo foi resolvido” e está tudo “dentro do calendário”.