Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Coreia do Sul desistiu da criação de uma escola para pilotos das forças aéreas de países da América Latina em Beja. Esse projeto acabou por abortar na sequência das eleições legislativas e presidenciais naquele país.

Em resposta enviada ao deputado do PS Pita Ameixa, esta semana, o ministério da Defesa, de José Pedro Aguiar-Branco, explica: “Atendendo a alterações na estrutura superior do Estado sul-coreano após as eleições legislativas em abril [de 2012]) e presidenciais em dezembro [de 2012] as autoridades do Ministério da Defesa da República da Coreia comunicaram a Portugal não ser possível prosseguir com o projeto”.

O Ministério da Defesa diz também não haver desenvolvimentos relativos ao interesse manifestado pelos Estados Unidos na instalação de um centro de treino militar na Base Aérea de Beja desde 2013, altura em que se se deu “uma visita exploratória de uma equipa técnica militar norte-americana às instalações”, lê-se na resposta do ministério ao deputado do PS Pita Ameixa.

A meio de maio, Pita Ameixa havia perguntado ao Governo se se “confirma[va] o interesse” dos Estados Unidos na base militar e “em que termos” se estava a negociar a potencial instalação de um centro de treino naquele complexo. O ministério explica que “os EUA criaram uma força de reação rápida de fuzileiros navais com o fito de permitir responder a situações de crise nas áreas de responsabilidade do Comando para África (AFRICOM) do Departamento de Defesa” destinada a “ações de proteção, assistência humanitária, resposta a catástrofes e missões de evacuação, quando necessária, de civis norte-americanos”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O interesse dos americanos em Beja começou em outubro, por as forças armadas dos Estados Unidos não estarem satisfeitas com as condições da base de Moron, em Espanha, onde atualmente está instalada a referida força de reação rápida. A confirmar-se a mudança, seriam cerca de 500 os militares americanos a instalar-se em Beja, afirma o Público.

Uma outra empresa, a canadiana Discovery Air, apresentou uma proposta, “em finais de 2011 (…) para implementação de um centro de treino para formação avançada de pilotos” na base, “tendo sido desenvolvidos com Portugal contactos e visitas exploratórias neste âmbito”, diz a resposta enviada a Pita Ameixa, sem acrescentar, contudo, a que ponto chegaram as negociações.

A Base Aérea nº 11, em Beja, foi construída nos anos 1960 e foi ocupada pela força aérea alemã até 1993. Em 2011 foi inaugurado o Aeroporto de Beja – para uso civil comercial -, projeto que, até 2013, apenas tinha registado o movimento de 5 mil passageiros.