Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O conselho de administração da Portugal Telecom vai reunir-se esta quinta-feira para encontrar uma solução para o papel comercial da Rioforte que subscreveu, noticia o Jornal de Negócios. O objetivo é o de discutir a solução urgente para o financiamento de 897 milhões de euros concedido pela Portugal Telecom à holding RioForte, do Grupo Espírito Santo (GES), uma vez que o prazo das aplicações se esgota na próxima semana.

Os investidores minoritários, reunidos na ATM (associação dos investidores do mercado de capitais), dizem só tomar decisões para a semana, depois de expirados os prazos do papel comercial, mas admitem processar a operadora. Do valor total da subscrição, 847 milhões de euros têm de ser reembolsados pela RioForte até 15 de Julho e 50 milhões a 17 de Julho. É esta a data que os accionistas minoritários fixaram para, depois, decidirem quais as iniciativas que assumirão.

Juristas contactados pelo Negócios dizem que só se houver incumprimento poderá haver base jurídica para interpor uma ação contra a operadora de telecomunicações. A Portugal Telecom assumiu estar empenhada em encontrar numa solução, que será debatida juntamente com o GES e a Oi, empresa brasileira que está em processo de fusão com a PT.

Segundo o mesmo jornal, o empréstimo da PT ao Grupo Espírito Santo não foi decidido no conselho de administração da operadora, por não ter considerado tratar-se de uma transacção com partes relacionadas. Esta questão, segundo o Expresso, levou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliário (CMVM) a abrir uma investigação formal ao caso, já que a PT detém cerca de 2% do capital do BES e este banco possui 10% das ações da operadora.

Também os trabalhadores da PT já pediram explicações ao presidente executivo da empresa, Henrique Granadeiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR