O ministro francês dos transportes admitiu esta sexta-feira estar “fora de questão” que haja sobreviventes da queda do avião da Air Argélia no Mali, rejeitando que o aparelho possa ter sido abatido a partir do solo.

“Considerando o estado do avião (destruído) é muito pouco provável, e até está fora de questão, que haja alguns sobreviventes”, admitiu Frederic Cuvillier a uma televisão francesa.

“Excluímos à partida a possibilidade de ter havido um ataque a partir do solo”, acrescentou, referindo-se às especulações sobre o eventual papel dos rebeldes no norte do Mali na queda do aparelho.

O ministro indicou que as forças militares francesas estavam a dirigir-se para o local onde o acidente aconteceu.

O voo AH5017 da Air Argélia, que se despenhou no Mali numa viagem da capital do Burkina Faso para Argel, levava 116 pessoas a bordo, 51 das quais de nacionalidade francesa.

O aparelho, ao serviço da espanhola Swiftair, desapareceu dos radares esta quinta-feira ao princípio da madrugada em Lisboa e os destroços foram encontrados por dois caças franceses a cerca de 70 quilómetros de Gao, uma cidade no nordeste do Mali, segundo a televisão francesa TF1.

Naquela altura verificavam-se várias tempestades na zona percorrida pela rota do avião.