Rádio Observador

Ébola

Ébola leva Libéria a fechar fronteiras. Vírus já matou 670 pessoas

É mais um país da África ocidental a restringir as suas fronteiras e a apertar a vigilância para travar a propagação do vírus na região. OMS diz que não é solução. 670 pessoas já morreram com o vírus.

Depois da Guiné Conacri e Serra Leoa, foi a vez da Libéria fechar parte das suas fronteiras na sequência do pior surto de Ébola alguma vez visto, que já vitimou 670 pessoas na África Ocidental. Depois de um registo total de 129 mortes na Libéria, a presidente Ellen Johnson Sirleaf anunciou na segunda-feira o encerramento de todas as fronteiras exceto três, de acesso à Serra Leoa, à Guiné e uma outra que atravessa os dois países. O aeroporto internacional continua aberto.

A vigilância foi apertada, nomeadamente no controlo dos passageiros do aeroporto que saem do país, mas a Organização Mundial de Saúde voltou a dizer que o encerramento das fronteiras e as restrições à saída de turistas, como forma de travar a propagação da doença, não são solução.

Tanto na Libéria como na Serra Leoa e na Guiné Conacri, que mesmo com as limitações continuam a operar voos internacionais, as autoridades intensificaram o controlo no check in dos aeroportos, procurando sinais de febre nos passageiros que deixam o país e dispondo de recipientes de cloro para desinfeção nos principais locais de saída de população.

Especialistas em saúde internacionais afirmam que esse rastreio e verificação de passageiros no local de saída do país é difícil e ineficaz, já que no seu estágio inicial, a doença assume sinais comuns a várias doenças – febre, dores musculares, fraqueza e vómitos -, que são semelhantes aos da malária ou da febre tifóide ou até de outras doenças mais comuns e menos graves.

“Teríamos de reconsiderar todas as recomendações de viagens com muito cuidado”, defende o porta-voz da Organização Mundial de Saúde Gregory Hartl, para quem a melhor maneira de acabar com o surto não é impedir a deslocação das pessoas com medo da propagação, mas sim levar a cabo todas as medidas necessárias junto da fonte de infeção. Fechar as fronteiras “pode ajudar, mas não vai ser um gesto exaustivo e infalível”, diz.

Além de que o risco de os turistas que viajam para estes países contraírem a doença não é muito alto, uma vez que para o Ébola se propagar exige o contacto direto com sangue, urina ou fluidos corporais das pessoas infetadas, como o suor ou a saliva. O vírus não se propaga como no caso da gripe pelo contacto casual ou pelo simples facto de respirar o mesmo ar, e a doença só se torna contagiosa quando progride ao ponto de revelar sintomas. Sintomas esses que chegam a ser tão fortes que deixam a pessoa infetada demasiado doente para viajar.

Ao todo, o surto já fez 670 vítimas mortais. Só na Guiné Conacri, onde se registou o primeiro caso, morreram 319 pessoas, e na Serra Leoa outras 224. Na Libéria o número chega às 129 vítimas e, de acordo com o Daily Telegraph, morreu no sábado um médico de topo do maior hospital do país e ficaram infetados dois médicos norte-americanos. A doença tem um grau de sobrevivência muito baixo, na ordem dos 10%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)