A Parpública e a Águas de Portugal indicaram a Mota-Engil como primeira classificada no processo de privatização da EGF – Empresa Geral de Fomento. A proposta será agora avaliada em Conselho de Ministros, de onde sairá a decisão final.

Segundo o Diário Económico, o relatório preliminar datado de sexta-feira baseou-se em oito critérios e a participada da Mota-Engil, a SUMA, ficou em primeiro. A FCC e a DST estão em 2º e 3º lugares respetivamente, segundo o relatório preliminar da Parpública /AdP a que aquele jornal teve acesso.

Até final de julho, o Governo tinha recebido quatro propostas de compra da empresa de de resíduos sólidos urbanos. Além da Mota-Engil (através da participada SUMA” entraram na corrida espanhola FCC, a belga Indaver e a portuguesa DST. A experiência no setor de recolha e seleção de resíduos sólidos urbanos e o facto da Mota-Engil trabalhar com bancos nacionais, um dos critérios a avaliar, terá pesado na classificação.

A Mota-Engil é a maior construtora nacional e tem vindo a investir no setor das águas e resíduos através da participada SUMA.

A EGF atua na área da gestão integrada de resíduos sólidos urbanos. Dispõe de 11 Sistemas Multimunicipais de Tratamento e Valorização de Resíduos Sólidos Urbanos que envolvem um total de 174 municípios, o que representa mais de 60% da população portuguesa. Anualmente produz cerca de 3,7 milhões de toneladas de resíduos.