O papa Francisco afirmou hoje que se pode falar de uma terceira Guerra Mundial na atualidade, que se desenvolve “por partes” entre “crimes, massacres e destruições”, apelando à paz para travar a “loucura bélica”.

As afirmações foram feitas no cemitério militar de Fogliano Redipuglia, no norte de Itália, onde o papa se deslocou esta manhã para recordar os mortos da Primeira Guerra Mundial, quando se cumprem 100 anos desde o seu início.

“Hoje, depois do segundo fracasso de uma guerra mundial, podemos falar de uma guerra combatida por partes, com crimes, massacres e destruições”, afirmou.

No local, a poucos quilómetros da fronteira com a Áustria e a Eslovénia, encontram-se sepultados 14.550 soldados dos Aliados, dos quais apenas 2.550 estão identificados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O papa Francisco acedeu ao local pela porta principal, onde pode ler-se “Unidos na vida e na morte”, tendo rezado uma oração, em privado, em frente ao monumento de homenagem aos mortos na Primeira Guerra Mundial, antes de fazer uma deposição de flores para assinalar a data.

À saída do cemitério, e apesar da chuva, o papa parou para falar uns minutos com um grupo de crianças que chamavam por ele.

Depois da visita ao cemitério austro-húngaro segue-se uma missa no complexo militar funerário de Redipuglia, onde estão sepultados 100.000 soldados italianos mortos durante o mesmo conflito.

No local, esperam-no milhares de pessoas abrigadas com guarda-chuvas, bem como os cardeais de Viena, Christoph Schönborn, e de Zagreb, Josip Bozanic, e bispos da Eslovénia, Áustria, Hungria e Croácia.