Rádio Observador

Conselho N. de Educação

Ministério da Educação sabe quais são as escolas que inflacionam notas

David Justino disse que são quase sempre as mesmas escolas a falsear as notas dos alunos e que foi o Ministério que forneceu os dados que permitiram ao CNE identificar o problema.

TIAGO PETINGA/LUSA

O presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), David Justino, disse hoje que não é sua competência ou obrigação denunciar à tutela as escolas que inflacionam notas, até porque os dados que permitiram detetar o problema foram fornecidos pelo ministério.

Em conferência de imprensa hoje, na sede do CNE em Lisboa, a propósito do relatório “Estado da Educação 2013” divulgado este sábado, o presidente deste órgão consultivo do Ministério da Educação e Ciência (MEC) disse que a tutela nunca pediu os dados, até porque a informação de origem, e que permitiu ao Conselho detetar a inflação de notas por parte das escolas, foi dada pelo Júri Nacional de Exames, tutelado pelo ministério.

“Não me compete fazer queixas ao Ministério”, disse David Justino, quando questionado se tinha apresentado ao MEC diretamente, ou à Inspeção-Geral de Educação e Ciência (IGEC) queixa das escolas identificadas por esta prática.

Sublinhando que a inflação das notas é uma prática que acontece tanto nas escolas públicas como nas privadas, David Justino disse também que a maioria não o faz, e admitiu que são quase sempre as mesmas a falsear as notas dos alunos.

“Há escolas que são reconhecidas por isso”, disse, acrescentando que é ao MEC que “compete atuar”.

“Tive a oportunidade de falar já há uns tempos com o secretário de Estado da Educação, que me disse que estava a acompanhar e que estavam a tentar encontrar soluções para isso”, acrescentou.

David Justino disse que o CNE tem dados recolhidos desde o ano 2000 sobre a inflação das notas internas.

Em resposta ao relatório do CNE, o MEC enviou no fim de semana um comunicado no qual considerava “natural” o diferencial entre as notas internas (que avaliam o trabalho de todo o ano letivo) e as notas dos exames, sublinhando que estão a ser avaliadas nestes dois momentos componentes de trabalho diferentes.

No comunicado, o Ministério da Educação garantiu a intervenção da IGEC, no entanto, apenas “caso seja participada, fundamentadamente, alguma situação concreta” de “manipulação concertada de resultados escolares”.

David Justino defendeu também que não é uma competência sua ou do CNE arranjar soluções, declarando não ter intenção de se “imiscuir nas competências do MEC”, mas reconheceu que a solução mais fácil para contornar esta prática passaria por equilibrar o peso das notas internas com o peso das notas dos exames no acesso ao ensino superior.

“Não é por acaso que as dispersões são maiores no ensino secundário”, afirmou, particularizando ainda os maiores diferenciais em disciplinas críticas, como Biologia, no acesso a cursos como Medicina, no qual a entrada ou a exclusão se define nas casas decimais.

David Justino defendeu que é preciso introduzir “justiça e equidade” nos exames, que são uma forma de “avaliação complementar”, que não avalia “o potencial” de um aluno para seguir determinado curso, mas que, comparado com a avaliação interna, têm uma “qualidade de avaliação” que se superioriza.

Se os exames não forem credíveis, “é o próprio sistema de acesso ao ensino superior que deixa de ter credibilidade, porque não é justo”.

Sobre a possibilidade de os exames de acesso passarem a ser responsabilidade das instituições de ensino superior, Justino lembrou que universidades e politécnicos nunca estiveram disponíveis para assumir essa responsabilidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)