Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aos 15 minutos, na grande área do Real Madrid, ao tentar tirar dali a bola Cristiano Ronaldo acertou na perna de um jogador do Elche. Pénalti, apitou o árbitro. Keylor Navas, herói costa-riquenho no Mundial do Brasil, que à 5ª jornada da Liga espanhola atirou o capitão Casillas para o banco de suplentes, nada pôde fazer perante o remate de Edu Albacar.

A história de sucesso e surpresa do Elche no Bernabéu acabou aí. E tudo, ou quase, por culpa do mesmo Cristiano que antes lhe cedera o palco. Mas antes de o português decidir que só ele podia fazer balançar as redes das balizas o galês Gareth Bale, de cabeça, finalizou um cruzamento de James Rodriguéz e empatou. Depois sim, Ronaldo. Primeiro de penálti, depois de cabeça.

Ao intervalo o Real Madrid ganhava por 3-1. Com uma equipa a jogar bem mais devagar, o português acelerou já perto do fim, aos 80 minutos, para arrancar um penálti e ele próprio o concretizar. “Hat-trick”! O segundo em outros tantos jogos na Liga, depois de no fim de semana ter feito o mesmo contra o Deportivo da Corunha. Mas a história não acabaria assim. Corriam já os descontos quando um passe de Gareth Bale rasgou a defesa do Elche e colocou Cristiano Ronaldo cara-a-cara com um “póker”. O português dominou com a parte interior do pé direito, correu, e depois com a parte de fora bateu o guarda-redes. 5-1. Sete golos em dois jogos. Nove em cinco jornadas. Não será à toa que os jornais “Marca” e “El País”, em Espanha, parecem ter decalcado o título um do outro: “Insaciable Ronaldo”.

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR