Elogio às primárias e confiança na vitória. Foram estas as duas marcas principais do discurso de António José Seguro depois de ter votado nas eleições primárias que vão definir o candidato do Partido Socialista a primeiro-ministro. “Estou muito, muito confiante no resultado destas eleições.”

Seguro votou na Guarda, poucos minutos depois das 11 da manhã, onde há 19 anos foi cabeça de lista do PS numas legislativas ganhas por António Guterres. “Hoje é um dia de uma grande satisfação, um dia histórico para o PS e para a democracia portuguesa. Pela primeira vez em Portugal realizam-se eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do partido.” Facto que levou o secretário-geral do partido a falar em “enorme orgulho e satisfação.”

Os jornalistas que registaram as declarações de Seguro procuraram um balanço, uma frase sobre a campanha, mas sem efeito. Não ouviram mais do que um “a campanha eleitoral terminou na sexta-feira, não vou fazer qualquer declaração que a prolongue. Hoje é dia da eleição, dos votos.” Assim sendo, que se vote muito, desejou o secretário-geral: “Que haja uma boa votação, que corra tudo com normalidade, que as pessoas vão votar e que essas pessoas façam boas escolhas”.

Sobre o futuro, em caso de vitória ou derrota, nem uma palavra. Mais palavras apenas para o local onde foi votar – a Guarda tem um cantinho especial no meu coração, tenho aqui muitos amigos – e para revelar os planos para o resto do dia – vou regressar às Caldas da Rainha, almoçar com a família e amigos, e depois irei para a sede do PS, acompanhar a noite eleitoral.