O presidente do conselho de administração da Lusa, Afonso Camões, anunciou nesta terça-feira, numa carta aos trabalhadores, que renunciou ao lugar que ocupa desde março de 2009. O ex-jornalista vai assumir o cargo de diretor do Jornal de Notícias, publicação do grupo Controlinveste, de acordo com uma notícia avançada pelo Expresso. “Aos trabalhadores da Lusa quero manifestar o meu profundo agradecimento pelo caminho que fizemos juntos”, afirmou Afonso Camões, que é administrador da Lusa desde setembro de 2005 e presidente do conselho de administração desde há cinco anos.

Sem revelar as razões que o levam a abandonar a agência, Camões realça aquilo que, segundo ele, conseguiu alcançar com todos os trabalhadores da Lusa: “bons serviços”, “boas contas”, sem nunca perder de vista “o sentido do interesse público, as obrigações contratuais com o Estado” e com os clientes.

Afonso Camões recordou ainda a comunicação que fez aos acionistas, na última assembleia geral da empresa: “Está hoje claro que a Lusa é sustentável, mas o Estado não está a pagar o custo real dos serviços prestados pela Agência”. “Não fora o desequilíbrio financeiro provocado por fatores externos à gestão corrente”, a nossa realização orçamental e os resultados operacionais positivos já nos teriam permitido voltar aos lucros — este ano mesmo”, acrescentou.

“Juntos, modernizámos a agência e aprofundámos, de forma exemplar, a transição dos nossos serviços para o multimédia e para todas as plataformas, o que, aliás, nos valeu o honroso Prémio Europeu de Inovação e Excelência”, escreveu Afonso Camões.

Antes de chegar à Lusa em 2005, Afonso Camões foi administrador executivo da Controlinveste Media, com responsabilidades na área editorial do grupo e funções de gerência nas empresas do Jornal do Fundão, Açoriano Oriental (Açormédia) e Diário de Notícias/Madeira (EDN), entre agosto de 2005 e abril de 2009, período em que assumiu também uma vice-presidência da Associação Portuguesa de Imprensa. Enquanto jornalista começou por colaborar no Jornal do Fundão e no Reconquista e foi fundador da revista “Praxis, da Faculdade de Economia do Porto (1976-78).

Obteve o título profissional de jornalista em O Primeiro de Janeiro (1979) e foi colaborador permanente de O Jornal, entre 1982 e 1985. Integrou a equipa fundadora do Semanário, como chefe da delegação do Porto e, mais tarde, foi editor do Expresso, com a responsabilidade da criação e coordenação da Rede Expresso de informação regional.

Foi também administrador da Informarte, Informação Regional, fundador e diretor da Gazeta do Interior, e consultor da Sojormedia (Grupo Lena). Em Macau, nos últimos 10 anos de administração portuguesa naquele território do Extremo Oriente, foi Diretor de Comunicação Social e administrador da Teledifusão de Macau (TDM), integrou o Grupo de Trabalho para a TV por Cabo e foi diretor da revista “Macau”.