Rádio Observador

Futebol

Chelsea vence Arsenal e Manchester United ganha com primeiro golo de Falcao

Chelsea, de José Mourinho, venceu o "clássico" londrino frente ao Arsenal, por 2-0, mantendo a liderança na liga inglesa em futebol à sétima jornada.

Chelsea mantém liderança na liga inglesa

FACUNDO ARRIZABALAGA/EPA

O Chelsea, de José Mourinho, venceu neste domingo o “clássico” londrino frente ao Arsenal, por 2-0, mantendo a liderança na liga inglesa em futebol à sétima jornada, na qual o Manchester United ganhou ao Everton por 2-1. A equipa de José Mourinho, líder do campeonato, partia para o “clássico” contra o Arsenal com apenas dois pontos de vantagem sobre o Manchester City (que no sábado ganhou no terreno do Aston Villa por 2-0).

A adensar a ansiedade, o encontro começou 15 minutos mais tarde, devido aos oito minutos de compensação concedidos no Manchester United-Everton (uma medida da Premier League para evitar sobreposições dos jogos mais importantes). No entanto, os “blues” não tremeram e aos 27 minutos adiantaram-se no marcador, na conversão de uma grande penalidade cometida pelo defesa francês dos “Gunners” Laurent Koscielny.

O belga Eden Hazard, que tinha sofrido a falta, converteu o castigo máximo. Antes disso, aos 24 minutos, já o guarda-redes belga do Chelsea, Thibaut Courtois, tinha saído (troca com Petr Cech) após um choque com o chileno Alexis Sanchez.

Na segunda parte, o inevitável Diego Costa (que já leva oito golos em sete jogos na Premier League) marcou o segundo, num remate em jeito por cima do guarda-redes do Arsenal, após controlar no peito um passe longo do médio catalão Cesc Fabregas.

Graças a este resultado, o Chelsea chegou aos 19 pontos – mantendo cinco pontos de vantagem sobre o segundo, o Manchester City – e o Arsenal caiu para a sétima posição, com 10 pontos. No decorrer do jogo, nota ainda para os empurrões entre o treinador do Arsenal, o francês Arsène Wenger, e o português do Chelsea, José Mourinho. O francês empurrou Mourinho na primeira parte, quando o técnico do Chelsea saiu da sua área para reclamar de uma queda do chileno Alexis Sanchez.

Quem beneficiou da derrota do Arsenal foi o Manchester United, que conseguiu a sua terceira vitória na Premier League (segunda consecutiva) frente ao Everton. Assim, os homens de Louis van Gaal subiram três posições na liga inglesa de futebol, para o quarto lugar. A jogar em Old Trafford, os “red devils” devem a vitória ao avançado colombiano Radamel Falcao, que marcou o golo da vitória (e o seu primeiro desde que chegou por empréstimo do AS Mónaco) aos 62 minutos.

O United chegou à vantagem aos 27 minutos, graças a um golo do argentino Angel Di Maria, que executou um remate em arco após passe de Juan Mata. O Everton, que começou a jornada na 15.ª posição (e terminou na 17.ª), empatou aos 55 minutos, por Steven Naismith. A equipa de Liverpool até podia ter empatado mais cedo, a fechar a primeira parte, mas Leighton Baines falhou uma grande penalidade, permitindo a defesa do guarda-redes espanhol do Manchester Unied, David de Gea.

Aliás, a terceira vitória do Manchester United na Premier League deve-se tanto a Falcao e a Di Maria como a De Gea, que assinou várias defesas de elevada dificuldade, preservando o 2-1 final. Noutra partida desta tarde, o Tottenham ganhou 1-0 em casa ao Southampton, com um golo de Christian Eriksen aos 40 minutos. José Fonte, que segunda-feira junta-se à concentração da seleção portuguesa, foi titular pelos forasteiros. A sétima jornada completa-se ainda hoje com o West Ham-Queens Park Rangers.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)