Futebol

Chelsea vence Arsenal e Manchester United ganha com primeiro golo de Falcao

Chelsea, de José Mourinho, venceu o "clássico" londrino frente ao Arsenal, por 2-0, mantendo a liderança na liga inglesa em futebol à sétima jornada.

Chelsea mantém liderança na liga inglesa

FACUNDO ARRIZABALAGA/EPA

O Chelsea, de José Mourinho, venceu neste domingo o “clássico” londrino frente ao Arsenal, por 2-0, mantendo a liderança na liga inglesa em futebol à sétima jornada, na qual o Manchester United ganhou ao Everton por 2-1. A equipa de José Mourinho, líder do campeonato, partia para o “clássico” contra o Arsenal com apenas dois pontos de vantagem sobre o Manchester City (que no sábado ganhou no terreno do Aston Villa por 2-0).

A adensar a ansiedade, o encontro começou 15 minutos mais tarde, devido aos oito minutos de compensação concedidos no Manchester United-Everton (uma medida da Premier League para evitar sobreposições dos jogos mais importantes). No entanto, os “blues” não tremeram e aos 27 minutos adiantaram-se no marcador, na conversão de uma grande penalidade cometida pelo defesa francês dos “Gunners” Laurent Koscielny.

O belga Eden Hazard, que tinha sofrido a falta, converteu o castigo máximo. Antes disso, aos 24 minutos, já o guarda-redes belga do Chelsea, Thibaut Courtois, tinha saído (troca com Petr Cech) após um choque com o chileno Alexis Sanchez.

Na segunda parte, o inevitável Diego Costa (que já leva oito golos em sete jogos na Premier League) marcou o segundo, num remate em jeito por cima do guarda-redes do Arsenal, após controlar no peito um passe longo do médio catalão Cesc Fabregas.

Graças a este resultado, o Chelsea chegou aos 19 pontos – mantendo cinco pontos de vantagem sobre o segundo, o Manchester City – e o Arsenal caiu para a sétima posição, com 10 pontos. No decorrer do jogo, nota ainda para os empurrões entre o treinador do Arsenal, o francês Arsène Wenger, e o português do Chelsea, José Mourinho. O francês empurrou Mourinho na primeira parte, quando o técnico do Chelsea saiu da sua área para reclamar de uma queda do chileno Alexis Sanchez.

Quem beneficiou da derrota do Arsenal foi o Manchester United, que conseguiu a sua terceira vitória na Premier League (segunda consecutiva) frente ao Everton. Assim, os homens de Louis van Gaal subiram três posições na liga inglesa de futebol, para o quarto lugar. A jogar em Old Trafford, os “red devils” devem a vitória ao avançado colombiano Radamel Falcao, que marcou o golo da vitória (e o seu primeiro desde que chegou por empréstimo do AS Mónaco) aos 62 minutos.

O United chegou à vantagem aos 27 minutos, graças a um golo do argentino Angel Di Maria, que executou um remate em arco após passe de Juan Mata. O Everton, que começou a jornada na 15.ª posição (e terminou na 17.ª), empatou aos 55 minutos, por Steven Naismith. A equipa de Liverpool até podia ter empatado mais cedo, a fechar a primeira parte, mas Leighton Baines falhou uma grande penalidade, permitindo a defesa do guarda-redes espanhol do Manchester Unied, David de Gea.

Aliás, a terceira vitória do Manchester United na Premier League deve-se tanto a Falcao e a Di Maria como a De Gea, que assinou várias defesas de elevada dificuldade, preservando o 2-1 final. Noutra partida desta tarde, o Tottenham ganhou 1-0 em casa ao Southampton, com um golo de Christian Eriksen aos 40 minutos. José Fonte, que segunda-feira junta-se à concentração da seleção portuguesa, foi titular pelos forasteiros. A sétima jornada completa-se ainda hoje com o West Ham-Queens Park Rangers.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)