A Confraria Gastronómica das Tripas à Moda do Porto (CTMP) entroniza hoje 20 novos confrades, contando-se entre eles o empresário Alexandre Pinto da Costa, o advogado António Vilar e o médico Fernando Póvoas.

A cerimónia decorrerá na Sala do Tribunal do Palácio da Bolsa, no Porto, prosseguirá com o habitual cortejo até à estátua do Infante D. Henrique, erigida na praça homónima situada diante daquele edifício, e terminará com um jantar em que as tripas serão o prato forte.

A Confraria, entretanto, prepara-se já para celebrar os 600 anos da conquista de Ceuta, em 2015, episódio histórico relacionado com as tripas à moda do Porto. Segundo o seu vice-presidente, haverá uma festa solidária, em março, um jantar especial em Lisboa, em julho, e uma entronização e uma gala, em outubro.

António Montenegro explicou à agência Lusa que a primeira iniciativa, designada Festa da Partilha, tem como objetivo “oferecer tripas” a instituições de solidariedade social do Porto.

O jantar visa “levar tripas a Lisboa”, acompanhando-o de “uma palestra sobre o enquadramento histórico” deste prato portuense, especificou também.

O programa comemorativo da expedição a Ceuta, patrocinada pelo Infante D. Henrique, encerra com a realização simultânea da habitual entronização e da Gala Infante D. Henrique, a qual visa “homenagear personalidades de diversos quadrantes, de alguma forma ligados à cidade”, segundo António Montenegro.

Criada em 2001, na sequência do impacto causado pela doença das vacas loucas, a Confraria das Tripas à Moda do Porto tem hoje cerca de 600 membros.

“Acreditamos que, ao juntar várias figuras de diferentes quadrantes com o propósito de promover uma gastronomia e uma cultura tão ricas como a do Porto, estamos a cumprir um dever enquanto cidadãos e portuenses ativos”, refere António Montenegro, também Fiel das Usanças da instituição, ou seja, responsável pela cerimónia de entronização.

O vice-presidente da Confraria considera que as tripas à moda do Porto superaram a crise das vacas loucas e hoje vivem um bom momento. “Há uma preocupação da restauração portuense de ter um dia por semana associado a este prato”, realça.

Na lista de membros da CTMP é possível encontrar nomes como Rui Moreira, Manuel Pizarro, Daniel Serrão, Belmiro de Azevedo, Rui Reininho, Valente de Oliveira, Almeida Santos, Rui Rio ou Rui Nabeiro.