Rádio Observador

Evolução Humana

Neandertais fora de sítio ou Homo erectus fora de tempo?

Os ossos descobertos em 2013 misturam traços de duas espécies de humanos. Os cientistas são cautelosos ao falarem de uma espécie nova e apontam outras possibilidades.

Um dos dentes descobertos e a localização dos restantes

Xing et al (2014) American Journal of Physical Anthropology

São dentes humanos e têm entre 60 mil e 120 mil anos, mas as certezas acabam por aqui. Os dentes dos quatro indivíduos e o osso da cara de uma criança descobertos em 2013 deixaram os investigadores intrigados por misturarem características do homem moderno com o homem primitivo. No estudo agora publicado na revista científica American Journal of Physical Anthropology os autores definem esta população do norte da China como pertencendo a uma “classificação taxonómica incerta”.

Durante uma parte do Pleistoceno, entre 340 mil e 90 mil anos, os homens de Neandertal (Homo neanderthalensis) ocupavam a Europa e a Ásia ocidental, enquanto o homem anatomicamente moderno (Homo sapiens) se encontrava em África, refere o artigo científico. “[Nestes ossos] não há correspondência nem com um humano moderno, nem com um neandertal, que são as espécies humanas que habitavam a Terra durante esse período, nem com o Homo erectus clássico, que é a espécie que sabemos que habitou a Ásia [anteriormente],” explica uma das autoras do estudo María Martinón-Torres, responsável pela investigação em antropologia dentária no Centro Nacional de Investigação sobre a Evolução Humana.

Os ossos encontrados no sítio arqueológico de Xujiayao, no norte da China, poderiam sugerir que se tratava de uma espécie nova, mas com um registo fóssil tão escasso a equipa, que inclui também investigadores da Academia Chinesa de Ciências, prefere ser mais cautelosa, refere El País. Os dentes encontrados não apresentam características de homem moderno, mas mais uma mistura de neandertal e Homo erectus. Curioso é que o Homo erectus, uma espécie que se espalhou pela Europa e Ásia há quase dois milhões de anos, se terá extinguido há cerca de 140 mil anos – muito antes dos indivíduos agora descobertos terem aparecido. Seria esta uma linha de Homo erectus, diferente da espécie original, que não se extinguiu? Não se sabe.

Outra possibilidade é que os restos de Xujiayao possam ser de denisovanos, uma espécie descoberta em Denisova, nos montes Altai, na Sibéria, e classificada com base na análise genética, na falange e nos dois dentes molares encontrados. Mas para ter a certeza de que os restos de Denisova e Xujiayao pertencem à mesma espécie, era preciso comparar o material genético, o que nem sempre é fácil quando se trata de fósseis – o ADN degrada-se facilmente ao longo do tempo.

Os restos do ouvido interno analisados apresentam tanto características primitivas como de neandertal, concluiu Erik Trinkaus, investigador no Departamento de Antropologia da Universidade de Washington em St. Louis, nos Estados Unidos, que não esteve envolvido na publicação do artigo. Os indivíduos que mostram uma mistura de traços entre as espécies de humanos que existiram na época – homem moderno, neandertal, denisovanos e Homo erectus – não têm de pertencer necessariamente a uma espécie nova, mas podem significar que as espécies acasalaram entre si originando descendência fértil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)