Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Traições, ciúmes, incompatibilidade de personalidades ou dificuldade em aceitar os defeitos do outro. Estas são algumas das causas do fim de um casamento. Em 2014, a tecnologia abre uma nova era no capítulo das razões para terminar uma relação. A plataforma de mensagens WhatsApp ajuda a ligar as pessoas mas, ao que parece, pode funcionar também para as afastar — e até destruir o amor.

Um homem na Arábia Saudita divorciou-se da mulher depois de esta não ter respondido à mensagem que lhe enviou através da ferramenta. Ainda no local de trabalho, o homem, cuja entidade não foi revelada, enviou uma mensagem à mulher. Passou algum tempo. Nada de resposta. O tempo de espera por um sinal de vida fez com que o homem rumasse a casa, já preocupado.

Quando chegou ao lar, deparou-se com a mulher a ver televisão, escreve o jornal Al Weam. “Quando ele lhe perguntou porque é que ela não tinha respondido, ela disse que estava ocupada a conversar com as amigas no WhatsApp e que só lhe ia responder mais tarde”, avança a publicação. O homem pediu o divórcio naquele instante.

A escolha de responder às amigas no WhatsApp em detrimento do marido foi fatal para o casal. Mas a ferramenta já tem alguma experiência em separar uniões. Segundo uma sondagem recente do site Secondlove, aquele serviço de mensagens instantâneas é a forma de interação mais usada pelos homens (36%) para conversarem com as amantes.

Por outro lado, um recurso da ferramenta que permite ver se as mensagens enviadas foram lidas por quem as recebeu está a causar polémica. A WhatsApp já reagiu às reclamações de alguns utilizadores que se referiam à falta de discrição e privacidade do aplicativo. O serviço de mensagens vai transformar aquela funcionalidade numa opção e não numa obrigação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR