A Amorim Turismo chegou a acordo para a venda do Casino de Tróia e de três hotéis – um em Tróia e dois no Algarve – ao fundo de investimento Aquarius, um fundo ligado à Oxy Capital, a sociedade de fundos de capital de risco que gere o Fundo de Reestruturação Empresarial e o Fundo Revitalizar para a Região Centro. A Autoridade da Concorrência já foi notificada da operação.

A Autoridade da Concorrência publicou nesta quinta-feira a abertura de um processo de análise à operação. A Oxy Capital, por intermédio do Fundo Aquarius, quer garantir a aquisição de controlo exclusivo da Turyleader – a sociedade gestora dos hotéis Lake Resort e Vilalara, no Algarve – e de ativos da Grano Salis, a dona do Tróia Design Hotel e do Casino do Tróia, que foi inaugurado no início de 2011.

A Amorim Turismo vende 75% das empresas mas manterá a gestão. Jorge Armindo, o presidente da Amorim Turismo, disse ao Jornal de Negócios que “estivemos a estudar várias alternativas e esta pareceu-nos a melhor para salvaguardar todos os compromissos que temos”.

O processo de venda, que faz parte de um processo de reestruturação da dívida do grupo Amorim Turismo, já tinha sido noticiado em fevereiro pelo Expresso. Nessa altura, segundo o Expresso, a dívida acumulada atingia os 200 milhões de euros, o que estava a colocar o grupo sob pressão dos credores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao Negócios, esta quinta-feira, Jorge Armindo não indicou o valor da transação, salientando que a venda permite liquidar a dívida. Este terá sido o motivo para a tomada de decisão da operação. “Não foi pelo desempenho dos hotéis que decidimos vender, mas pela dívida”, acrescentou o gestor.

O grupo Amorim Turismo comprou a Grano Salis em 2003 à Sonae. A sociedade Oxy Capital investiu nos Estaleiros de Peniche e comprou em fevereiro 60% da corticeira nacional Grupo Piedade. É também a gestora do Fundo Revitalizar na Região Centro, que tem 80 milhões de euros conferidos por um programa criado pelo governo há dois anos.