O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou hoje, em Viena, que existem ainda “grandes diferenças” para se chegar a um consenso com o Irão, quando se aproxima a data de segunda-feira para se alcançar um acordo em matéria nuclear. “Estamos a trabalhar arduamente”, declarou o chefe da diplomacia norte-americana, precisando: “Estamos a fazer progressos, mas temos grandes diferenças, algumas das quais estamos a trabalhar para ultrapassá-las”.

Kerry, que participa nas negociações nucleares de Viena desde quinta-feira, declarou, contudo, que “faltava muito trabalho pela frente” para chegar a um acordo que ponha termo a 12 anos de disputas na área nuclear com o Irão. As declarações aos jornalistas foram feitas antes de um encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, num palacete do centro de Viena onde decorrem as conversações entre o Irão e representantes do grupo 5+1 (China, França, Reino Unido e Alemanha).

Ao chegar a Viena, Steinmeier disse ser possível solucionar o conflito nuclear com o Irão e que nunca “um acordo esteve tão próximo como agora”, mas insistiu em que para alcançá-lo seria necessário que este país mostrasse que não há intenção militar no seu programa atómico.

“Depois de dez anos de longas negociações com o Irão, a hora da verdade chegou agora a Viena. Creio que se pode aqui dizer, em Viena, que nunca estivemos mais próximos” de se chegar a um acordo, precisou o ministro alemão à chegada ao hotel na sexta-feira onde as potências negoceiam com o Irão desde terça-feira. Ambas as partes propuseram-se chegar a um acordo na próxima segunda-feira.