O árbitro internacional Pedro Proença, considerado um dos melhores do mundo, vai apitar no sábado, a seu pedido, um jogo de futebol dos escalões jovens distritais de Lisboa, após ter ficado de fora das nomeações para as ligas profissionais.

“O Pedro Proença pediu ao núcleo [de arbitragem] da Brandoa para arbitrar um jogo” num dos escalões sub-12, declarou à agência Lusa o presidente da Associação de Futebol de Lisboa (AFL), Nuno Lobo, que vê com satisfação o pedido do árbitro, embora ressalve que este “não faz mais do que a sua obrigação”.

O mesmo responsável explicou ainda que a nomeação de árbitros para os escalões jovens — até aos sub-12 — está delegada na AFL pela Federação Portuguesa de Futebol, cujo Conselho de Arbitragem nomeia os árbitros para as competições profissionais.

“A Associação de Futebol de Lisboa vê com bons olhos a vinda do Pedro Proença aos seus campeonatos, mas também considera que ele não faz mais do que a sua obrigação, uma vez que foi em Lisboa que começou a sua carreira como árbitro e é devido a esta associação que tem a carreira que tem”, afirmou Nuno Lobo.

O jogo em causa é uma partida de futebol de sete dos escalões sub-11 entre o CAC Pontinha e o Operário, com hora de início agendada para as 12h de sábado.

Considerado um dos melhores árbitros da atualidade (com presenças regulares nos Mundiais e Europeus, na Liga dos Campeões e na Liga Europa), Pedro Proença foi deixado de fora das nomeações para as ligas profissionais deste fim de semana, o que já tinha acontecido nas partidas da 4.ª eliminatória da Taça de Portugal, no passado fim-de-semana.

O pedido de Proença terá surgido pela necessidade de não ficar parado antes da sua participação no Mundial de Clubes de futebol, de 10 a 20 de dezembro, em Marrocos.

O presidente da AFL lamenta que apenas quando é deixado de fora das competições profissionais, Pedro Proença se volte para a associação de Lisboa onde começou a arbitrar.

“Também temos pena que aquele que é considerado o melhor árbitro do mundo só se lembre da sua associação numa situação de recurso. Ou seja, quando — segundo o que escutei — é posto ‘na jarra’ pela Federação Portuguesa de Futebol. Ao contrário de outros árbitros internacionais e de primeira categoria que têm vindo apitar jogos da sua associação”, concluiu Nuno Lobo.

Pedro Proença foi proibido pelo presidente do Conselho de Arbitragem da FPF), Vítor Pereira, de conceder duas entrevistas a órgãos de comunicação social, devido a uma outra entrevista concedida a 8 de novembro ao jornal Record, na qual considerou que o Conselho Nacional de Arbitragem está “num caos”, com processos classificativos com erros e sem “estratégia de comunicação”.