A Polícia Judiciária está a fazer buscas na diocese do Porto, nomeadamente em computadores de algumas paróquias, avança o Jornal de Notícias, que tem o tema como manchete na edição em papel desta segunda-feira. Cartas anónimas via email, assinadas por um tal de “M. Saleixo”, com acusações graves têm na mira vários membros de igrejas da Invicta. As cartas têm sido enviadas nos últimos dois meses e têm chegado a todo o clero e instituições católicas.

Segundo o JN, as cartas começaram a avolumar-se quando D. António dos Santos, bispo do Porto, decidiu mudar os padres das paróquias. O caso mais famoso é a troca do padre de Canelas, que deixou a população local furiosa. “O clima bélico já dura há alguns meses mas piorou quando D. António Francisco dos Santos decidiu, numa normal rotatividade do clero, retirar da paróquia de Canelas o padre Roberto Sousa”, disse um sacerdote ao Jornal de Notícias.

O padre Roberto, demitido e substituído nas suas funções por Albino Reis, recebeu em junho indicações por parte da Diocese do Porto para abandonar a paróquia em setembro, mas após várias ações de protesto da população recuou na sua decisão e apenas recentemente decidiu substitui-lo.

Mas a investigação não fica por aqui. De acordo com o mesmo artigo, os inspetores da PJ estão a seguir o rasto de uma conta de email criada, associada à diocese do Porto, que foi usada para denúncias de alegadas práticas pedófilas de Abel Maia, um sacerdote de Fafe. A carta foi enviada para um jornal e teria como fonte Roberto Sousa, o tal padre que foi demitido da paróquia de Canelas, que poderá ter oferecido o silêncio pela permanência no cargo. Os inspetores investigam os fundamentos das cartas e não estará fora da equação um caso de chantagem e/ou ajuste de contas.