Rádio Observador

Alterações Climáticas

Francisco Ferreira: “Portugal abrandou, mas não parou”

Energias renováveis, eficiência energética e políticas climáticas compõe o relatório da Germanwatch apresentado esta segunda-feira. Embora tenha margem para melhorar, Portugal consegue manter 7º lugar

As fontes de energia renováveis estão em crescimento na China

Kevin Frayer/Getty Images

Portugal continua entre os países com melhor desempenho em relação às alterações climáticas. O relatório Climate Change Performance Index 2015 (CCPI2015) é apresentado esta segunda-feira pela Germanwatch, uma organização não-governamental sediada em Bona (Alemanha), na Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas que decorre de 1 a 12 de dezembro em Lima. Quando comparado com países como Espanha ou Grécia, Portugal conseguiu mostrar que a crise não destruiu completamente as políticas climáticas, como refere em comunicado de imprensa a associação ambientalista Quercus.

No último relatório, em 2014, Portugal tinha sido apresentado como estando em sexto lugar. Mas uma revisão dos dados pela Agência Internacional de Energia, na qual o índice se baseia, colocou Portugal em sétimo lugar já em 2014, lugar que agora mantém, atrás da Dinamarca, Suécia e Reino Unido. O índice inclui 58 países responsáveis por 90% das emissões de carbono associadas à energia e Portugal consegue, na prática, um quarto lugar, porque os três primeiros, destinados a desempenhos “muito bons”, continuam por ocupar. Contudo, os autores do relatório afirmam que se a Dinamarca e a Suécia continuarem com o desempenho que tem mostrado, poderão vir a ocupar os dois primeiros lugares no próximo ano – a Suécia diminuiu as emissões em 70% nos últimos cinco anos.

Germanwatch_Pt

Embora continue com um “bom” desempenho, fruto das políticas climáticas e dos investimentos feitos anteriormente, Portugal pode vir a descer no índice pelo atual abrandamento no investimento nas energias renováveis, refere em comunicado a Quercus, a única entidade nacional a integrar o painel de especialistas externos que contribuem para este índice. Mesmo assim, continua muito melhor que dois dos outros países afetados com a crise económica: Espanha, que desceu de 20º para 28º porque desinvestiu totalmente na política do clima, e Grécia, que “abandonou numa primeira fase todas as políticas climáticas, mas está já a recuperar algumas posições”, segundo a Quercus. A Grécia conseguiu subir de 48º (“muito fraco”) para 35º (“fraco”).

“Portugal abrandou, mas não parou”, refere Francisco Ferreira, membro do Grupo de Energia e Alterações Climáticas da Quercus. “Já a Espanha está muito em baixo. Foi fortemente penalizada porque pararam o investimento na área das renováveis.” O ambientalista atribui parte do sucesso português à crise porque diminuímos nas emissões, mas também à aposta nas energias renováveis. O que considera mais preocupante neste momento é o mau desempenho em termos de eficiência energética, sobretudo no setor residencial e edifícios.

Marrocos, um exemplo para os países em desenvolvimento

Os autores do relatório indicam que, mais uma vez, a quantidade de dióxido de carbono emitido ultrapassou o do ano anterior, uma tendência que se tem verificado quase todos os anos desde que o índice foi criado em 2005. Mesmo assim os autores revelam que há trabalho que tem sido feito para contrariar o aumento das emissões e esperam que na Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas de Paris em 2015, para a qual Lima serve de preparação, deem aos investidores confiança suficiente para apostarem na redução e eliminação das emissões de carbono.

Um dos sinais mais positivos apresentados no relatório é o crescimento constante da produção de energias renováveis em 51 dos 58 países avaliados, tornando estas formas de energia competitivas (mais baratas) em relação aos combustíveis fósseis. O outro é o encerramento gradual das centrais baseadas na combustão de carvão, como ficou acordado entre China e Estados Unidos, dois dos maiores poluidores mundiais. Já Espanha recuou um passo e aceita o funcionamento das centrais de carvão desde que a origem do mesmo seja interna, refere Francisco Ferreira.

Germanwatch_global

Comparação dos lugares do ranking no relatório de 2014 e 2015 – CCPI2015/Germanwatch

Apesar do acordo com a China e apesar de as emissões estarem a descer gradualmente, os Estados Unidos estão a fazer menos do que podiam segundo os peritos. Continua a não existir uma aposta nos transportes públicos nem uma regulamentação eficaz no limite de emissões no setor dos transportes. Já a China têm-se mostrado o país com maior investimento em energias renováveis – metade de todo o investimento mundial -, mas nem sempre da melhor forma, segundo os especialistas – centrais hídricas de grande escala podem comprometer a conservação da natureza. A aposta em centrais nucleares também é censurada no relatório. Em relação ao Canadá e à Austrália, os dois países industrializados com posição mais baixa no índice, a postura não mudou em relação ao último relatório, confirmando a falta de políticas ambientais efetivas.

As maiores preocupações e louvores também chegam aos países em desenvolvimento. A Turquia não tem qualquer estratégia nacional que vise combater as alterações climáticas e a aposta da Arábia Saudita em energia solar e eólica parece ser apenas um caminho para exportar ainda mais combustíveis fósseis. No caminho oposto está Marrocos, o primeiro país do grupo dos países em desenvolvimento a chegar ao top 10, subindo seis lugares e estando agora dois lugares abaixo de Portugal. O país tem apostado num crescimento sustentável com o aumento da produção de energias renováveis, nomeadamente solar e eólica, e o corte nos apoios à gasolina e petróleo.

Documentos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)