Um novo vídeo, divulgado esta terça-feira pelo Estado Islâmico, faz uma nova ameaça de morte: um homem de cara tapada tem a seu lado dois cidadãos japoneses – já identificados como Haruna Yukawa e Kenji Goto, um segurança privado e um jornalista – deixando claro que os dois serão executados caso o Japão não pague um resgate de 200 milhões de dólares em 72 horas. O objetivo é pressionar o Japão a deixar de apoiar a coligação internacional que tem sido feito vários ataques aéreos ao grupo terrorista.

O primeiro-ministro japonês já exigiu a libertação imediata de dois reféns nipónicos.

“Estou extremamente indignado com este ato (…) e exijo vigorosamente que nenhum mal seja feito [aos reféns] e que sejam libertados imediatamente”, disse Shinzo Abe à imprensa, em Jerusalém, onde está em deslocação oficial.

Nas imagens do vídeo divulgado pelos jihadistas vê-se um militante, em pé, vestido de preto e de faca na mão, entre dois reféns vestidos com macacões cor de laranja. O Telegraph adianta que o homem de cara tapada é o já conhecido Jihadi John, responsável por alguns dos assassinatos de reféns internacionais.

“Têm 72 horas para pressionar o vosso Governo a tomar a decisão mais sensata e pagar 200 milhões de dólares para salvar a vida dos vossos cidadãos”, disse, em inglês.

O militante explicou que o valor do resgate serve de compensação pela ajuda (não-militar) que Abe prometeu dar à campanha contra o EI no Médio Oriente.

O Governo japonês garantiu estar a investigar a ameaça.