“A minha recomendação para quem nos desafia no norte [de Israel] é para verem o que se passou em Gaza.” As palavras de Benjamin Netanyahu não deixam margem para dúvidas, o ataque do Hezbollah no norte do país, que aconteceu na manhã desta quarta-feira, vai ter consequências. Segundo a CNN, morreram dois soldados israelitas e há sete feridos.

Um veículo das forças militares israelitas (IDF) foi atingido por um míssil anti-tanque, na zona de Har Dov, perto da fronteira com o Líbano, ao mesmo tempo que eram disparados morteiros nas redondezas, conta o jornal Haaretz.

Este incidente aconteceu poucas horas depois de ter sido revelado que as tropas israelitas andavam a fazer escavações naquela região à procura de túneis do Hezbollah. Ainda não se sabe se os dois incidentes estão relacionados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um dos morteiros disparados atingiu uma casa em Ghajar, uma aldeia na fronteira, incendiando-a. De acordo com os meios de comunicação libaneses, as forças israelitas responderam ao ataque com fogo. O Hezbollah já reivindicou a responsabilidade dos ataques.

Estes ataques ocorreram quando o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu estava no sul de Israel, na cidade de Sderot, inaugurando a construção de um novo bairro. “Neste preciso momento, o IDF está a responder aos eventos no norte. Olhem o que aconteceu aqui. Não muito longe da cidade de Sderot, em Gaza, o Hamas foi atingido com o golpe mais forte que alguma vez recebeu, no verão passado… A Segurança vem antes de tudo. A Segurança é a fundação de tudo”, afirmou.

Após o discurso, Netanyuahu decidiu encurtar a visita e viajou para Telavive, para reunir-se com os seus conselheiros militares. Moshe Ya’alon, o ministro da defesa israelita, ficou com a responsabilidade de explicar tudo o que se passou.

Entretanto, o Haaretz conta que as forças militares israelitas já retaliaram. Dispararam, pelo menos, 25 mísseis para território Líbano, atingindo algumas aldeias.

Este não é o primeiro incidente esta semana no norte de Israel. Na terça-feira, dois rockets disparados da Síria atingiram os montes Goulan; Israel também ripostou contra este ataque, lembra o Wall Street Journal.

Na semana passada, no dia 18 de janeiro, um ataque aéreo israelita na Síria matou cinco militantes Hezbollah, dos quais um era um general iraniano. Ontem, um responsável do Governo do Irão avisou os Estados Unidos da América que Israel tinha “passado a linha” com o ataque na Síria e que ia existir uma resposta, conta o Jerusalem Post.

“Nós dissemos aos americanos que os líderes do governo sionista deviam esperar consequências do seu ataque”, disse Houssein Amir Abdollahian, ministro dos Negócios Estrangeiros. O governo israelita ainda não respondeu a estas declarações.