A Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (Cresap) aprovou o novo Conselho de Administração da RTP, mas não deixou de assinalar algumas dúvidas em relação ao perfil dos três indigitados, Gonçalo Reis, Nuno Artur Silva e Cristina Vaz Tomé – os últimos foram, aliás, aprovados com “limitações”, pode ler-se no parecer divulgado pela Cresap esta terça-feira.

Em relação ao presidente do Conselho de Administração da RTP, a Cresap sublinhou que “não ficaram muito claras competências em termos de uma capacidade real para obter a colaboração de outros, ou a presença de uma forte sensibilidade social”. De resto, os autores do parecer sublinharam o “percurso profissional e académico” de Gonçalo Reis, que já fez parte de uma administração da RTP, e o “perfil técnico, a par de uma experiência de gestão ao nível da direção superior muito consistente, revelando conhecimento quer da RTP (…), quer do setor onde a mesma se insere”.

Mas as indigitações de Nuno Artur Silva e Cristina Vaz Tomé levantaram muito mais reservas à Cresap. De Nuno Artur Silva é dito que a sua qualidade de fundador e antigo presidente do Conselho de Administração de uma “empresa que detém um canal de televisão”, no caso as Produções Fictícias, “coloca problemas de natureza concorrencial que não foram clarificados”.

Quanto a Cristina Vaz Tomé, as observações da Cresap vão mais longe: “não fica claro o contributo, ou a mais-valia específica com que contribuirá para a administração da RTP, num setor de que não revela conhecimento substantivo”.

Além disso, os responsáveis pelo parecer questionam a recente nomeação de Cristina Vaz Tomé para o cargo de vogal do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, afirmando que tal cargo “não parece ser compatível” se exercido “em simultâneo” com o lugar que ocupa no Conselho de Administração da RTP.

A aprovação de funcionários para a Administração Pública com “reservas” ou “limitações”, como agora aconteceu com Nuno Artur Silva e Cristina Vaz Tomé, é uma decisão rara mas com (alguns) precedentes – em 2013, o antigo secretário de Estado de Paulo Portas, Francisco Almeida Leite, nomeado pelo Governo para vogal da Sofid – Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento – foi aconselhado pela Cresap a frequentar “formação complementar em gestão”.