Como resolver a crise no sistema nacional de saúde britânico? A resposta está nas estrelas, pelo menos é isso o que alega um deputado daquela nação. Citado pelo Telegraph, David Tredinnick disse que a sobrelotação que se vive no sistema de saúde poderia ser resolvida caso os médicos usassem a astrologia para tratar os seus pacientes. Na sua opinião, consultar as estrelas tiraria “uma grande pressão” de cima dos médicos.

As declarações passíveis de gerar alguma controvérsia, e que foram dadas no decorrer de uma entrevista ao Astrological Journal, não se ficam por aqui. Além de considerar que a astrologia tem “um papel importante” na saúde, alega que o estudo da influência dos astros nos acontecimentos mundiais ou nas pessoas — definição retirada do dicionário online Priberam — é uma “ferramenta de diagnóstico útil”, que permite ver os pontos fortes e fracos de uma pessoa com base no mapa astral.

“A astrologia foi até aos tempos modernos parte da tradição da medicina. Acho que é uma grande pena que tantos cientistas, hoje em dia, estejam a desvalorizar a energia do lado direito do cérebro, como a intuição”, afirma o homem de 65 anos. Admitiu ainda que preparou cartas astrológicas para os colegas de profissão, isto é, os restantes deputados com assento no parlamento.

Para quem, ao contrário dele, não acredita nas capacidades da astrologia, David Tredinnick tem uma coisa a dizer. Melhor, tem várias coisas a dizer. Chama os “oponentes” de astrologia de bullies e até de racistas. “A oposição é baseada naquilo a que chamo de fórmula SIP — superstição, ignorância e preconceito”.

Esta não é a primeira que o deputado fica debaixo de fogo pelas coisas que diz. Em julho último Tredinnick causou uma tempestade quando falou pela primeira vez sobre os benefícios da astrologia, dizendo que esta tinha um “histórico comprovado” de como conseguia ajudar as pessoas a recuperar das suas doenças.