A Líbia solicitou ao Conselho de Segurança nas Nações Unidas, na quarta-feira, que aprove o seu pedido para aquisição de material militar, numa altura em que enfrenta dificuldades na luta contra o Estado Islâmico.

O Governo líbio reconhecido internacionalmente — um dos dois órgãos que dizem governar o país — pediu ao comité de sanções do Conselho que conceda uma exceção ao embargo de armas e permita um reforço dos meios aéreos. “A liderança do exército líbio apresentou pedidos específicos para exceções ao embargo de armas ao comité das sanções”, disse o embaixador líbio Ibrahim Dabbashi.

“Estes pedidos estão relacionados com a capacidade das forças aéreas líbias para monitorizar o seu território e fronteiras, e prevenir que os terroristas cheguem aos depósitos de petróleo, de modo a que possam proteger a fortuna e riqueza do país”, acrescentou, perante o Conselho de Segurança.

De acordo com o documento, visto pela AFP, a Líbia quer adquirir 14 caças MiG, sete helicópteros, 150 tanques, 150 operadores de pessoal armados com metralhadoras, 10 mil lançadores de granadas, além de munições e morteiros.