Hackers

Estado Islâmico. Anonymous desvenda 9.200 contas do Twitter

240

O grupo de 'hackers' Anonymous, que tinha declarado guerra aos terroristas do Estado Islâmico (EI), revelou, esta segunda-feira, 9.200 contas da rede social Twitter de militantes do EI.

AFP/Getty Images

No dia 16 de março deu-se mais um marco importante na guerra virtual contra o Estado Islâmico. O grupo hacktivista Anonymous, que declarou guerra ao estado Islâmico em janeiro após o atentado ao Charlie Hebdo, lançou uma lista com 9.200 nomes de contas de Twitter que são suspeitos de estarem afiliadas ao grupo terrorista.

De acordo com a International Business Times, este ataque, de nome #OpIsis, serviu para pressionar o Twitter para que tome alguma medida contra contas que espalhem propaganda extremista.

“Quanto maior for a atenção mediática desta lista, maior será a probabilidade do Twitter agir. Se o Twitter remover estas contas anunciadas, criará um enorme impacto na habilidade do ISIS para espalhar propaganda e recrutar novos membros. Não precisas de ser um entendido técnico informático para contribuir na nossa missão: o teu retweet ou like faz a diferença entre 10.000 contas ativas e serem 10.000 contas fechadas. Ajuda a nossa luta”, apelou o grupo de “ackivististas” Anonymous que juntou forças com os GhostSec e com os Ctrlsec.

Apesar de serem banidos, as contas de Twitter dos simpatizantes do Estado Islâmico tornam-se mais resistentes devido a um sistema de hydra: constante e mútua promoção de tweets e número exagerado de contas que criam.

“Isto é um dia histórico para o universo digital, porque, pela primeira vez, três grandes grupos unem-se para travar algo mais importante”, afirmou ao International Business Times um membro do Anonymous que estava envolvido numa operação.

Esta é mais um capitulo da guerra declarada pelos Anonymous em janeiro. Outros capítulos tiveram declarações de guerra, contas de twitter banidas, redes sociais do Estado Islâmico barradas entre outros confrontos virtuais.

 

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)