E se existisse uma rede social inspirada no Facebook mas dedicada a simpatizantes do Estado Islâmico? “5elafacebook” lê-se Califadobook – deriva da palavra Califado – e, durante os seis dias em que esteve online, foi a rede social que tentou juntar os entusiasmantes do Estado Islâmico.

5elafacebook” apareceu no dia 6 deste mês, uma semana depois de inúmeros perfis islâmicos terem sido banidos do Twitter e do Facebook. Muitos suspeitam que o aparecimento no site tenha sido uma reação.

A rede social usava o típico modelo de Facebook: os utilizadores criavam um perfil com informação pessoal e partilhavam conteúdos. Na página de log in estavam símbolos do logótipo preto e branco do Estado Islâmico espalhados por uma imagem do mapa mundi. Era suposto ser uma plataforma internacional, pois sustentava a língua inglesa, portuguesa, espanhol, indonésia, javanês, espanhol e português, mas não em árabe.

Apesar do seu ar sofisticado, vários elementos indicavam que foi feito por amadores: a página foi criada através da Socialkit, uma aplicação que permite aos usuários criarem as suas próprias redes sociais. De momento, a rede social não está ativa. Se tentarmos aceder à página, aparece uma imagem com uma mensagem de justificação.

“5elafacebook é um site independente e não patrocinado pelo Estado Islâmico. Reiteramos que o nosso propósito em lançar esta plataforma foi para deixar claro que não vivemos em cavernas nem usamos apenas armas, como devem imaginar. Não vivemos para matar e derramar sangue, como os media nos retrataram. Estamos a lutar contra os inimigos da religião de Alá”, asseguram os criadores do site.

Mas os criadores do site acreditam que nada foi em vão: “Nós passámos a mensagem. Obrigado ao serviço involuntário dos media. Morram na vossa angústia”.

Não se sabe ao certo quem está envolvido no site. Militantes do Estado Islâmico tentam perceber se o “5elafacebook” não terá sido uma armadilha das autoridades ocidentais, de acordo com o serviço SITE.

A rede social chamou a atenção do popular grupo ciberativista Anonymous, que declarou guerra ao Estado Islâmico, em outubro de 2014. Suspeita-se que eles estejam envolvidos no derrube da rede social.

“Vamos caçar-vos, derrubaremos os vossos sites, as vossas contas, os vossos correios eletrónicos e vamos desmascarar-vos. A partir de agora não há sítio seguro para vocês na internet. Serão tratados como vírus e nós somos a cura. A internet pertence-nos,” afirmou o grupo Anonymous quando declarou guerra virtual ao grupo terrorista.