Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quinze dos 17 altos dirigentes na Autoridade Tributária estão em funções sem que tenha havido qualquer concurso público. Isso significa que foram nomeados em regime de substituição, tal como a nova chefe do Fisco, Helena Borges, que sucede a Brigas Afonso, diretor-geral demissionário por causa da lista VIP de contribuintes.

Os dados foram revelados esta terça-feira pelo presidente da Comissão de Recrutamento e Seleção na Administração Pública (CRESAP), João Bilhim, aos microfones da TSF, que diz “não ser normal, pois são processos que se desenvolvem, segundo a lei, em regime de urgência e depois de o primeiro-ministro ter dito que estes casos iriam ser resolvidos até ao final do ano”. Em alguns casos, há dirigentes em regime de substituição há quase um ano. E houve concurso – o Governo já tem a lista dos melhores três nomes escolhidos pela CRESAP, mas o que se passa é que o Ministério das Finanças opta por não fazer a nomeação. Ou seja, na prática, as pessoas foram escolhidas por confiança política e não pelas regras de transparência que este Governo quis introduzir ao criar a CRESAP.

Essa questão foi uma das levadas por João Bilhim na Assembleia da República, durante uma audição com os deputados da COFAP, em fevereiro. Nessa altura, o presidente da CRESAP sugeriu aos deputados que se alterasse a lei que regula os dirigentes da Administração Pública de forma a impor um prazo limite para o Governo dar cumprimento aos concursos, escolhendo um dos três nomes indicados. A sugestão era que o prazo fosse de 45 dias.

Bilhim criticou ainda o Governo pela forma como anunciou a nomeação de Helena Borges, na sexta-feira, em comissão parlamentar, por não ter deixado claro que essa nomeação era em regime de substituição porque, na verdade, não podia ser de outra forma, uma vez que é um cargo que obriga a concurso público.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

João Bilhim percebe que “os membros do Governo pensem que todos conhecem a lei”, mas o facto do Secretário de Estado, Paulo Núncio, ter anunciado a nomeação de Helena Borges sem referir que esta era “em regime de substituição” gerou uma “onda” de telefonemas de jornalistas a perguntar qual era, afinal, o papel da CRESAP. Esta comissão foi criada pelo atual governo para avaliar e escolher quem pode ser dirigente na Administração Pública.

Tal como o Observador noticiou na segunda-feira, Helena Borges já se tinha candidatado no último concurso, não tendo conseguido chegar ao top 3, ou seja, não chegou a integrar a lista dos três melhores nomes que a CRESAP escolhe para indicar à tutela.

O processo de escolha do anterior diretor-geral foi atribulado – e demorado, cerca de ano e meio – porque o concurso teve que ser repetido. O primeiro concurso para o lugar foi aberto em 2013. Houve 11 candidatos e, no final, a CRESAP entendeu que não havia três bons candidatos ao lugar e, por isso, obrigou a que fosse aberto um segundo concurso. A nova avaliação foi feita em junho de 2013.

Os três nomes selecionados foram António Brigas Afonso, José Maria Pires (o sub-diretor que também se demitiu na sequência da lista de contribuintes VIP) e Abílio Morgado (consultor de segurança do Presidente da República mas com carreira no Ministério das Finanças) mas Maria Luís Albuquerque ainda demorou algum tempo a fazer uma escolha. Helena Borges também se candidatou, mas não chegou a figurar no top 3.