Viagens

Qual é a melhor rota para conhecer a Europa no menor tempo possível?

238

Randy Olson desenhou a rota mais rápida para conhecer a Europa no mínimo tempo possível. São 45 locais numa viagem que pode durar apenas 14 dias. As "praias deslumbrantes" de Lagos estão na lista.

Santorini, na Grécia, é um dos pontos de paragem

AFP/Getty Images

Autor
  • Catarina Marques Rodrigues

Percorrer as principais atrações europeias no menor tempo possível. Foi este o desafio superado por Randy Olson, aluno de doutoramento da Universidade do Michigan (EUA). Olson calculou um algoritmo para parar em 45 pontos da Europa, com base numa lista do Bussiness Insider intitulada “50 sítios na Europa que tem de visitar na sua vida”. E Portugal? Não há sinais de Lisboa, não há referências ao Porto. Há destaque português, sim, mas para as “praias deslumbrantes” de Lagos.

Olson usou um código Python para calcular a distância mais curta entre cada paragem. Conclusão: são cerca de 26 mil quilómetros de estrada que resultam, ao todo, num mínimo de 14 dias para percorrer toda a Europa de carro, sem parar e sem trânsito. Se o objetivo for fazer a viagem com mais calma e disponibilidade, o jovem investigador na área da ciência de dados estima que sejam precisos três meses. Na viagem consta Paris, Praga ou Ibiza. O desenho da rota pode ser visto aqui.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)