Pedro Passos Coelho voltou a não falar sobre a possível coligação com o CDS no Conselho Nacional do PSD, que decorreu na noite de terça-feira em Lisboa. O presidente do partido disse que essa questão ainda não seria discutida agora e o sociais-democratas deverão ter uma reunião extraordinária no próximo mês para acertar se a estratégia para as legislativas inclui ou não o atual parceiro de coligação. Mais sonoro foi o não de Passos Coelho a um Governo com o PS, mencionando as incompatibilidades com a liderança de António Costa.

Não há “tentação” de fazer coligação com o PS, garantiu Passos Coelho no Conselho Nacional desta terça-feira. A postura do PS de apenas querer conversar depois das eleições que deverão decorrer entre setembro e outubro, faz com que haja incompatibilidades entre os dois partidos que nunca permitiriam um entendimento para formar Governo. “É melhor para o país um futuro Governo não ficar dependente do PS. A ideia foi proferida de forma vincada às dezenas de militantes do PSD que se reuniram na capital.

Num Conselho Nacional concorrido, as principais caras do partido fizeram questão de marcar presença, com vários ministros e secretários de Estado a participarem na reunião, assim como algumas das principais caras do partido a nível nacional e local.

O primeiro-ministro disse ainda não era altura para falar sobre a coligação com o CDS e a decisão sobre o futuro do PSD nas próximas eleições será anunciada em Conselho Nacional extraordinário, que poderá acontecer em maio. O presidente do partido falou ainda da importância de preparar os próximos quatro anos de governo, não descartando a possibilidade de o partido atingir uma maioria absoluta.