O FBI deteve um antigo funcionário da Comissão Reguladora Nuclear dos Estados Unidos (NRC) por ter alegadamente tentado extrair informação sensível em matéria nuclear do departamento de Energia para a vender a países terceiros. Charles Harvey Eccleston, de 62 anos, foi detido nas Filipinas, onde vivia desde 2011, e extraditado para os Estados Unidos, para ser julgado.

O antigo funcionário da NRC enfrenta quatro acusações, incluindo fraude eletrónica, pelas quais, se considerado culpado, pode ser condenado a uma pena de até 50 anos de prisão. Eccleston terá tentado aceder a informação sensível por via de uma variação da técnica de ‘phishing’ (conhecida como ‘spear-phishing’), através da qual se envia uma mensagem de correio eletrónico a uma série de destinatários que aparece como proveniente de uma fonte segura, já que estes conhecem o emissor. Contudo, ao abrir o e-mail, o computador do destinatário acaba por ficar infetado por um vírus informático por via do qual se pode extrair informação que armazena.

Eccleston foi despedido da NRC em 2010 e após abandonar a agência governamental ter-se-á dirigido a uma embaixada – de um país não identificado – e proposto providenciar-lhes informação classificada que havia obtido da Administração dos Estados Unidos, levantando as suspeitas por parte do FBI.

A polícia federal enviou então agentes encobertos para se encontrassem com Eccleston, fazendo-se passar por representantes de um país e, segundo as autoridades, o ex-funcionário da NRC ofereceu-se para enviar mensagens de correio eletrónico fraudulentos para danificar os computadores do departamento de Energia e retirar a informação sensível em troca de dinheiro.

Eccleston enviou e-mails a mais de oito antigos colegas de trabalho em janeiro deste ano, mas o FBI garantiu que nenhum computador da agência foi infetado.