Santos Populares

CDS queria festa dos Santos até setembro. A Câmara chumbou

136

CDS propôs um prolongamento dos apoios dados a coletividades e clubes durante os santos populares, bem como a manutenção da decoração em Lisboa até ao final do mês de setembro. Câmara recusou.

O CDS queria prolongar as decorações de Lisboa feitas para os Santos Populares até Setembro

Carlos Manuel Martins / Global Imagens

A Câmara Municipal de Lisboa chumbou esta quarta-feira o prolongamento dos apoios dados a coletividades e clubes da cidade que são dados durante os Santos Populares. O CDS propôs que se mantivesse a decoração da cidade, preparada para as festas, até ao final de setembro, mas não teve sucesso.

A moção, apresentada pelo vereador centrista João Gonçalves Pereira, previa que a Câmara ponderasse “os apoios prestados no âmbito das Festas dos Santos Populares de Lisboa nos bairros históricos da cidade” até dia 30 de setembro. Entre esses apoios estão sobretudo a “isenção de taxas de ocupação da via pública com palcos, bancas, decorações, mesas e cadeiras e demais material de preparação de comes e bebes”, promovidos e dados através da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC). Ao Observador, o vereador justificou a proposta dizendo que era importante “rentabilizar” um investimento que já foi feito.

Para o vereador, este prolongamento “seria bom quer para a vida dos bairros, quer para a sua imagem. Era bom para a economia local e do ponto de vista do turismo era uma mais valia”. Isto porque, acrescenta, “as associações de bairro aproveitam a época das festas populares para recolher fundos e participar nas comemorações” e esta proposta seria uma maneira de a Câmara, que dá subsídios a estas coletividades, ajudar sem ter de dar mais financiamento.

A proposta, conta o vereador, teve também os votos a favor do PSD e do PCP e o chumbo do PS. “Foi por teimosia”, diz o centrista.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)