Santos Populares

CDS queria festa dos Santos até setembro. A Câmara chumbou

136

CDS propôs um prolongamento dos apoios dados a coletividades e clubes durante os santos populares, bem como a manutenção da decoração em Lisboa até ao final do mês de setembro. Câmara recusou.

O CDS queria prolongar as decorações de Lisboa feitas para os Santos Populares até Setembro

Carlos Manuel Martins / Global Imagens

A Câmara Municipal de Lisboa chumbou esta quarta-feira o prolongamento dos apoios dados a coletividades e clubes da cidade que são dados durante os Santos Populares. O CDS propôs que se mantivesse a decoração da cidade, preparada para as festas, até ao final de setembro, mas não teve sucesso.

A moção, apresentada pelo vereador centrista João Gonçalves Pereira, previa que a Câmara ponderasse “os apoios prestados no âmbito das Festas dos Santos Populares de Lisboa nos bairros históricos da cidade” até dia 30 de setembro. Entre esses apoios estão sobretudo a “isenção de taxas de ocupação da via pública com palcos, bancas, decorações, mesas e cadeiras e demais material de preparação de comes e bebes”, promovidos e dados através da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC). Ao Observador, o vereador justificou a proposta dizendo que era importante “rentabilizar” um investimento que já foi feito.

Para o vereador, este prolongamento “seria bom quer para a vida dos bairros, quer para a sua imagem. Era bom para a economia local e do ponto de vista do turismo era uma mais valia”. Isto porque, acrescenta, “as associações de bairro aproveitam a época das festas populares para recolher fundos e participar nas comemorações” e esta proposta seria uma maneira de a Câmara, que dá subsídios a estas coletividades, ajudar sem ter de dar mais financiamento.

A proposta, conta o vereador, teve também os votos a favor do PSD e do PCP e o chumbo do PS. “Foi por teimosia”, diz o centrista.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)